China começa a usar o maior observatório do mundo para procurar extraterrestres

Por Redação | 26 de Setembro de 2016 às 14h07

Neste último domingo (25), a China colocou seu novo observatório para funcionar oficialmente na província de Guizhou. E não trata-se de qualquer observatório, mas sim o maior do mundo, com nada menos do que 500 metros de diâmetro, de forma que o FAST (Aperture Spherical Telescope) desbancou – por uma boa margem – o Arecibo Observatory de Porto Rico, o primeiro colocado da lista até então com seus "meros" 305 metros de diâmetro.

O FAST custou US$ 180 milhões para ser construído, composto de 4450 painéis de 11 metros cada um que refletem as ondas de rádio do espaço em uma retina suspensa de 30 toneladas. Todo esse investimento e seus números para lá de impressionantes será utilizado por astrônomos para observar a Via Láctea e outras galáxias, pulsares e possíveis sinais de vida extraterrestre, de acordo com National Astronomical Observatories (NAO) e a Chinese Academy of Sciences.

FAST

Segundo Peng Bo, em uma entrevista ao Xinhua (agência oficial de notícias na China), "o potencial do FAST para descobrir civilizações alienígenas será algo entre 5 e 10 vezes a capacidade dos equipamentos atuais, já que ele pode ver mais longe e enxergar planetas mais escuros", afirmação feita em julho deste ano, quando a construção do observatório foi concluída. Vale destacar que mais de 9000 pessoas participaram da construção do FAST, adicionando mais um número impressionante entre tantos outros.

Será que teremos notícias de vida alienígena em um futuro próximo? É difícil dizer, mas a probabilidade disso acontecer certamente aumentaram.

Fonte: CNET

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.