CEO da Intel utilizou orçamento secreto para dar início a produção de novo chip

Por Redação | 03 de Dezembro de 2015 às 09h59
Divulgação
Tudo sobre

Intel

Antes de ser nomeado CEO da Intel em 2013, Brian Krzanich passou duas décadas trabalhando como engenheiro na empresa. Isso significa que ele presenciou o crescimento da Intel ao longo dos anos, tornando-se líder no mercado de chips para PCs e centro de dados. Mas, cerca de quatro anos atrás, Krzanich viu que os jovens engenheiros não estavam trabalhando com a arquitetura da Intel x86 para a construção de dispositivos da Internet das Coisas (IoT).

Foi aí então que Krzanich e alguns engenheiros começaram a trabalhar em um projeto secreto que a maioria das pessoas na empresa não tinha ideia sobre a existência. Enquanto via que a maior parte dos novos engenheiros estava utilizando a tecnologia rival da ARM, o atual CEO da Intel conseguiu aprovação para financiar o projeto secreto sem utilizar o orçamento principal da empresa por dois anos.

O objetivo do projeto era criar um novo chip que fosse ideal para ser executado em dispositivos como wearables e aparelhos conectados a IoT, mas que fossem baseados na arquitetura x86 da Intel. "Eu tive que voltar e trazer pessoas de volta à Intel, mostrar que há uma tecnologia, uma capacidade que eles não podem igualar em qualquer outro lugar do planeta", disse Krzanich. O projeto rendeu sua primeira linha de produtos, a Quark, introduzida no mercado em 2013.

Assista Agora: Saiba quais são os 5 maiores problemas das empresas brasileiras e comece 2019 em uma realidade completamente diferente.

Desde o seu lançamento, a Quark tem sido fundamental para liderar a mudança da Intel para o mercado de IoT. Segundo a empresa de pesquisa IoT Analytics, a Intel é considerada a marca líder no ramo, ficando à frente da Microsoft, Cisco e Google. Apesar dos chips ligados à Internet das Coisas representarem apenas 5% do negócio global da Intel, Krzanich elogiou o setor como uma parte importante do crescimento da companhia no futuro.

"Eu realmente sinto que agora temos sido capazes de dirigir a empresa para o que eu chamo de motor de cilindros", disse o CEO. "O motor de crescimento será o centro de dados e, em seguida, a Internet das Coisas. Nós construímos um ciclo virtuoso que mostra como tudo isso se alimenta um do outro".

Fonte: Business Insider

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.