Brasileira de 15 anos está entre os 16 finalistas da Google Science Fair 2016

Por Redação | 11.08.2016 às 19:55
photo_camera Google

Para o Google, o futuro pode estar nas mãos dos jovens. Nesta quinta-feira (11), o gigante de buscas anunciou os 16 finalistas da Google Science Fair 2016, uma competição online global de ciência e tecnologia voltada para o público com idades entre 13 e 18 anos. O Brasil está na competição com um projeto que visa melhorar a qualidade de vida das pessoas com intolerância à lactose. O projeto vencedor leva uma bolsa de estudos de 50 mil dólares e será anunciado no dia 27 setembro na sede da empresa na Califórnia.

Atualmente, para contornar a situação da intolerância à lactose, as alternativas costumam ser leites não lácteos, como o de soja ou amêndoas, que podem ser ser muito caros. Muitos produtos derivados do leite que passam pelo processo de remoção da lactose perdem boa parte dos nutrientes. Ciente das dificuldades enfrentadas por pelo menos 50 milhões de pessoas no Brasil, Maria Vitória desenvolveu uma solução mais saudável e viável ao bolso.

Google Science Fair 2016

"Leite sem lactose para todos" é o nome do projeto de Maria Vitória Valoto, de 16 anos e natural de Londrina (PR). A estudante criou uma cápsula de baixo custo - apenas alguns centavos - que pode ser adicionada no leite para neutralizar a lactose. O que torna o produto mais acessível é que a mesma cápsula pode ser utilizada diversas e funciona a partir de temperaturas do refrigerador, com efeito por até sete dias. Maria Vitória vai disputar o grande prêmio com participantes de outros 8 países e com isso marca a estreia do Brasil na competição.

Competidores finais

Os Estados Unidos contam com o maior número de participantes, com projetos de voos espaciais; sensores de nanopartículas que monitoram o nível de umidade em curativos; aplicativo que identifica células cancerígenas; redução de resíduos de isopor; teste remoto de malária com smartphones; detecção de falhas em superfícies metálicas com laser; e previsão automatizada de câncer de mama.

Na região da Europa, África e Oriente médio os projetos finalistas são de combate à seca com polímero superabsorvente barato e biodegradável; produção de baixo custo de pesticidas e fertilizantes; e reabilitação de pacientes com sequelas de AVC.

Na terceira macrorregião, Ásia-pacífico e Japão, os projetos são de absorventes biodegradáveis e ecológicos; sensor para detectar câncer de pulmão; gestão automatizada da água e sistema de monitoramento em plantações; processo de fabricação de tintas com mais durabilidade e processabilidade; e um projeto que apresenta uma nova forma de ajudar a memória com algoritmos de aprendizagem profunda.

Regionais

Dos milhares de inscritos, 100 projetos venceram as etapas regionais. Além de Maria Vitória, o Brasil foi representado nesta etapa pelos estudantes Letícia Pereira de Souza, 18, e João Gabriel Stefani Antunes, 15, com o projeto "Semente mágica: Transformação de água poluída em potável", que utiliza extratos da semente de Moringa oleífera para despoluir a água.

A lista completa dos finalistas regionais pode ser conferida no site da competição.

Fonte Google