Apple Watch receberá grande atualização em setembro; veja o que muda

Por Redação | 24 de Agosto de 2015 às 12h20
photo_camera Divulgação

Desde que foi lançado em abril, o Apple Watch tem sido criticado, particularmente, por dois motivos: aplicativos lentos e que não funcionam muito bem; e seu alto preço, que parece um pouco demais para um relógio inteligente que depende de um iPhone para funcionar. Parece que a empresa tem ouvido as reclamações e, em junho, anunciou que está abordando esses dois problemas numa atualização de software que será lançada em setembro.

Com o watchOS 2, vários apps serão nativos, executados inteiramente no relógio em vez de ter que se comunicar constantemente com o smartphone. Isso significa que eles carregam mais rápido e oferecem ainda mais recursos. Em segundo lugar, o Apple Watch será capaz de se lembrar de conexões Wi-Fi às quais você já se conectou anteriormente com o seu iPhone.

Assim, mesmo se você esquecer o seu smartphone em casa, será capaz de acessar certas funções no relógio, como enviar iMessages (caso os seus contatos estejam sincronizados com o relógio) e fazer perguntas para a Siri. Os desenvolvedores também serão capazes de explorar esse recurso para fazer com que seus apps funcionem mesmo longe do iPhone.

Apesar da novidade ser interessante, ela ainda não significa que os usuários poderão usar o relógio de forma completamente independente do iPhone, mas sim que a Apple está ampliando o acesso a alguns recursos sem a necessidade de estar perto do smartphone.

A forma de interagir com os aplicativos no Apple Watch também será modificada no watchOS 2. Agora os desenvolvedores vão poder aproveitar recursos como o Taptic Engine, a Digital Crown, o acelerômetro, o sensor de frequência cardíaca, o alto-falante e o microfone. Por exemplo, o app Strava usa o sensor de frequência cardíaca para coletar e mostrar dados enquanto você se exercita.

A atualização de software é o primeiro grande passo da Apple no processo de tornar o seu relógio mais útil. A empresa não tem falado publicamente sobre a quantidade de relógios vendidos até agora, mas, de acordo com o vice-presidente de operações da Maçã, Jeff Williams, eles já venderam "muitos" Apple Watches.

Para Adam Grossman, fundador da empresa por trás do app Dark Sky, o Apple Watch vai ser muito parecido com o iPod original. "Ele começa abaixo das expectativas. Ele não tem um monte de recursos que as pessoas querem. Mas, lentamente, ao longo dos anos, à medida que ele melhora, mais pessoas se animam e compram um. Eu acredito que será um longo processo até convencer as pessoas a comprarem um Apple Watch, mas eu definitivamente estou animado com isso", disse Grossman.

Via Business Insider

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.