Apple suspende pagamento de royalties a Qualcomm durante processo judicial

Por Redação | 28.04.2017 às 17:25
photo_camera DepositPhotos/ifeelstock

A Apple e a Qualcomm eram parceiras de longa data, mas parece que o amor acabou. Em janeiro deste ano, a Maçã iniciou um processo acusando a Qualcomm de práticas anticompetitivas — processo realizado na China, nos Estados Unidos e no Reino Unido. A isso, a Qualcomm respondeu também iniciando um processo contra a sua parceira por suposta quebra de contrato. Longe de uma decisão na Justiça, a disputa entre as empresas ganhou um novo elemento.

A Apple suspendeu os pagamentos de royalties para a Qualcomm enquanto a disputa judicial entre as duas companhias não for concluída. A intenção da empresa de Cupertino é simples: não vai pagar enquanto a Justiça não determinar exatamente quanto é devido. Isso acontece justamente porque a Federal Trade Comission (FTC), agência reguladora do mercado nos EUA, acusou a Qualcomm de práticas abusivas em janeiro deste ano, fato que deu início ao processo por parte da Apple.

Qualcomm responde

Em resposta ao anúncio da Apple, a Qualcomm divulgou um comunicado à imprensa na tarde desta sexta-feira (28). Para a empresa, a Maçã está agindo de maneira equivocada e ainda é obrigada a honrar os contratos assumidos.

“A Apple está interferindo de maneira incorreta em acordos de longa data com a Qualcomm a respeito de licenças”, afirmou o vice-presidente e secretário-geral do conselho da Qualcomm Don Rosenberg. “Estes acordos de licença permanecem válidos e aplicáveis. Embora a Apple tenha conhecimento de que o pagamento é devido graças ao uso da valiosa propriedade intelectual da Qualcomm, ela continua a interferir em nossos contratos.”

O executivo acusa a Maçã de “declarar unilateralmente que os termos de contrato são inaceitáveis”, os mesmos termos que, segundo Rosenberg, a empresa de Cupertino aceitou cumprir na última década.

“Nós continuaremos a defender vigorosamente o nosso modelo de negócios e prosseguiremos em nosso direito de proteger as nossas contribuições tecnológicas à indústria e de receber um valor justo por elas”, concluiu vice-presidente da Qualcomm.

Fonte: Qualcomm