Apple sofre com baixa no mercado chinês

Por Redação | 24 de Agosto de 2015 às 11h21
photo_camera Divulgação

Não está sendo um bom começo de semana para a Apple, que mal começou suas operações na Bolsa de Valores e já está vendo suas ações sendo operadas com queda de 6%. A companhia é uma das que mais vem sentindo o impacto da retração econômica na China, que apesar de ter a ver com motivos econômicos locais, vem afetando negociações em todo o mundo. Nesta segunda-feira (24), boa parte dos pregões mundiais apresenta baixa.

No momento em que essa reportagem é escrita, as ações da Apple oscilam entre os US$ 99 e US$ 100, um valor que já é reduzido em relação ao que foi registrado há bem pouco tempo, antes dos problemas econômicos começarem. O grande temor se relaciona à contínua desaceleração da economia chinesa, que não vem sendo contida pelo governo, apesar das diversas tentativas.

A Bolsa de Xangai, capital da China, caiu quase 8,5% nesta segunda e se aproxima de zerar completamente todos os ganhos das ações acumulados ao longo do ano. Foi sua maior queda diária desde a crise de 2007, um movimento que foi seguido por outros pregões mundiais – Tóquio, por exemplo, teve baixa de 4,61%, enquanto a Bovespa opera neste momento com -6,04%.

Como se não bastassem apenas os motivos econômicos que não fazem parte da sua alçada, a Apple vem sofrendo com informes de analistas que acreditam que o mercado de smartphones se aproxima perigosamente de uma saturação. Mesmo com sua recente chegada ao mercado chinês, o nicho do iPhone teria se fechado rapidamente devido à retração econômica e a expectativa é que os bons números obtidos com a mais recente versão do celular não se repitam quando sua edição aprimorada, com lançamento marcado para o final do ano, aterrisse.

Para especialistas, o mercado encontra-se em um momento de maturidade – quem gostaria de comprar um smartphone já o fez, e, agora, as vendas serão grandemente baseadas em upgrades e não em novos usuários. Isso vale até mesmo para os mercados emergentes, vistos há poucos meses como a grande saída para grandes empresas como a própria Apple. É justamente por isso que ela deu grande foco à China e obteve grandes resultados com o lançamento do iPhone por lá.

Agora, porém, o momento é outro e a chegada de versões apenas aprimoradas dos aparelhos está sendo vista como causadora de um efeito contrário. Nenhum analista espera a manutenção dos números meteóricos, principalmente em um cenário de estagnação econômica, portanto, a expectativa é que as ações da Apple voltem a cair ao longo das próximas semanas.

Fonte: Business Insider

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.