Apple quer acabar com filas e acampamentos em frente às Apple Stores

Por Redação | 09 de Abril de 2015 às 08h58

Todos estão familiarizados com a seguinte situação: a Apple anuncia um novo produto, seja ele iPhone, iPad, Apple Watch ou qualquer outro gadget; depois, vêm os meses de especulações, imagens e informações vazadas sobre o aparelho, criando ainda mais expectativas. Por fim, faltando poucas horas ou dias para o lançamento da novidade, começam a pipocar pela internet fotos de pessoas formando enormes filas e até acampando em frente às lojas da Maçã.

Essa realidade, no entanto, pode estar com os dias contados. Segundo a diretora de varejo da Apple, Angela Ahrendts, quem quiser comprar os novos lançamentos, como no caso do Apple Watch e o MacBook 2015, terá mais chance se o fizer online. A declaração da executiva veio na forma de um memorando enviado aos funcionários das Apple Stores. No documento, ela os instrui a encorajar os clientes a comprarem o Apple Watch e o novo MacBook online, onde haverá um estoque muito maior dos produtos. As instruções enviadas por Ahrendts diziam que "os dias de esperar em uma fila e cruzar os dedos para conseguir um produto estão terminados para os nossos clientes". O memorando completo diz:

"Entre na fila online"

"Os dias de esperar em uma fila e cruzar os dedos para conseguir um produto estão terminados para os nossos clientes. Com o app da Apple Store e nossas lojas online, comprar o Apple Watch e o novo MacBook será muito mais fácil. Os consumidores saberão exatamente onde e quando seus produtos chegarão.

Esta é uma mudança significativa de mentalidade e nós precisamos da sua ajuda para que isso aconteça. Diga aos seus clientes que nós temos maior disponibilidade online e mostre a eles o quão mais fácil é comprar por lá. Eles vão ganhar o dia graças a você".

Aparentemente, a Apple está disposta a dispensar a atenção que as filas e acampamentos geram em prol de uma imagem mais elegante e refinada para sua marca. Se essa tendência seguir adiante, como planeja a diretora de varejo da Maçã, é provável que as Apple Stores se tornem cada vez mais uma vitrine de produtos da empresa do que um comércio de fato, já que a ideia é que as vendas sejam todas feitas online e que os clientes recebam em casa seus produtos - nada de fechar negócio online e buscar na loja.

Uma das causas dessa possível mudança é a conhecida dificuldade de suprir a demanda que a Apple enfrentou quando do lançamento dos iPhones 6 e 6 Plus. Na época, semanas após o lançamento dos smartphones, quase metade dos clientes que entravam em uma loja procurando os aparelhos saia de mãos abanando. Alguns analistas chegaram a considerar isso como uma jogada de marketing, porque a falta dos smartphones só aumentou a publicidade em torno deles e, consequentemente, as vendas.

Se foi este o caso, a Apple parece ter decidido seguir em outra direção. Com a nova estratégia, os consumidores se verão obrigados a comprar online, mas terão certeza de que, mais cedo ou mais tarde, seu gadget irá chegar e não serão obrigados a ir à toa até uma loja física e saírem de lá frustrados.

Sabe-se, no entanto, que as Apple Stores dos EUA ainda receberão alguns Apple Watches para compor seus estoques, mas as lojas do Reino Unido, por exemplo, provavelmente não terão nada disponível durante o lançamento dos novos aparelhos.

Tudo isso pode significar que, de agora em diante, os lançamentos da Apple causarão menos frenesi nos consumidores, ou que ao menos a ausência das lendárias filas seja um motivo a menos de piada para a Samsung explorar.

A pré-venda dos relógios inteligentes da Maçã começa nesta sexta-feira (10) às 4h da manhã de Brasília. O lançamento oficial, por sua vez, ocorrerá no dia 24 deste mês.

Via The Verge e Business Insider

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.