Apple processa Qualcomm em US$ 1 bi por táticas anti-competitivas

Por Redação | 20 de Janeiro de 2017 às 19h52

Após o escândalo envolvendo a Qualcomm e a FTC (Comissão Federal de Comércio) nos Estados Unidos, a gigante Apple resolveu processar a fabricante de componentes eletrônicos em US$ 1 bilhão, acusando-a de usar táticas anti-competitivas para manter no mercado o monopólio de um semicondutor específico e muito utilizado no mercado de smartphones.

No processo, a Apple acusou a Qualcomm por cobrar preços abusivos por seus processadores e também por recusar a pagar cerca de US$ 1 bilhão em descontos prometidos por compras dos componentes. A gigante de Cupertino revelou em sua queixa que a Qualcomm havia suspendido os descontos devido a discussões anteriores entre a Apple e um órgão regulador da Coreia do Sul.

Entenda a história

Nesta semana, a FTC processou a empresa de semicondutores alegando que ela praticava concorrência desleal nos Estados Unidos, violando as leis comerciais dos Estados Unidos. O órgão afirmou na justiça que a Qualcomm cobra royalties de seus clientes, exigindo o pagamento de extras se acaso uma fabricante decida usar componentes da marca juntamente com componentes de outros fornecedores em um mesmo aparelho. Se uma empresa usar o chipset de uma fornecedora rival, ele pode ser bloqueado por estar fora dos modernos padrões patenteados pela Qualcomm. A FTC alega que, com esse esquema, a fabricante está acumulando "toneladas de royalties".

Em meio à ação judicial, a Comissão ainda citou o nome da Apple. Sua queixa acusa a Qualcomm de forçar a Maçã, por meio de um acordo de exclusividade de cinco anos, a usar apenas seus chips de base em dezenas de milhões de smartphones e tablets, fabricados entre 2011 e 2016.

Em outras palavras, a Qualcomm praticamente subornou a Apple, oferecendo bilhões de dólares em descontos, se a gigante ficasse apenas com seus processadores e não implementasse o padrão WiMAX — defendido pela Intel. Curiosamente, esse padrão nem existe mais.

O objetivo da queixa é obter uma ordem judicial para exigir que a Qualcomm pare imediatamente de infringir as leis de comércio norte-americanas, sob o risco de multas e novas penalidades.

Após as acusações, a Qualcomm revelou que iria se "defender vigorosamente" em juízo, mas, no entanto, parece que ela vai ter trabalho para se explicar diante de tantos processos a colocando em posição de ré nos Estados Unidos. Vamos nos preparar para mais uma grande novela trazendo gigantes do Vale do Silício no elenco.

Com Reuters, The Register

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!