Apple, Google e Uber se negam a criar registro de muçulmanos proposto por Trump

Por Redação | 17 de Dezembro de 2016 às 22h22

Desde que iniciou sua corrida à Casa Branca, o presidente eleito dos Estados Unidos Donald Trump causou controvérsia, quer seja por suas declarações infelizes ou ideias de políticas extremas e draconianas. Apesar disso, ele contrariou as pesquisas de intenção de voto e superou a adversária Hilary Clinton, e agora estuda maneiras de pôr em prática, por bem ou por mal, aquilo que prometeu. E uma dessas promessas envolve a criação de um registro nacional de muçulmanos.

Segundo Trump, a ideia é uma medida de segurança nacional e exigiria o apoio, principalmente, de empresas do setor tecnológico. Questionadas no começo do mês pelo Intercept Brasil sobre se elas prestariam tal serviço para a administração Trump, todas, com exceção do Twitter, optaram por permanecer em silêncio. No caso da rede de microblogs, ela foi categórica e escreveu um "Não" seguido deste link para um artigo sobre a proibição do uso de "dados do Twitter para fins de vigilância". "E ponto final".

Nesta sexta-feira (16), quase duas semanas depois, Apple, Google e Uber finalmente resolveram se posicionar sobre o assunto e se alinharam ao lado do Twitter, contrárias à criação do tal registro proposto por Trump.

Ao Buzzfeed, um porta-voz da Apple destacou que a empresa acredita que todos devem ser tratados igualitariamente, independentemente de suas crenças, aparência ou quem amam. "Não nos pediram [para fazer o registro], mas somos contrários a tal medida", disse o representante da Maçã.

Poucos instantes depois da resposta de Cupertino, o Google divulgou um comunicado no mesmo tom. "Em relação à ideia hipotética de que ajudaríamos a criar um 'registro muçulmano': não nos pediram, mas somos contrários a tal ideia. E ficamos felizes de ver que tal proposta pode jamais sair do papel", disse a empresa.

Em relação à Uber, a empresa foi ríspida e seca, respondendo ao Buzzfeed com um uníssono "Não" e nada mais.

Reunião com o presidente eleito

Na semana passada, os chefões das mais importantes empresas de tecnologia dos Estados Unidos se reuniram com Donald Trump na Trump Tower, em Nova Iorque, residência dele e QG da equipe de transição do seu governo.

Pouco se sabe sobre a pauta debatida durante o encontro e, por enquanto, de concreto só há a confirmação de que Elon Musk, CEO da Tesla, e Travis Kalanick, presidente da Uber, vão integrar o conselho consultivo do presidente eleito dos Estados Unidos.

Mesmo assim, tudo indica que as discussões foram infrutíferas e fizeram as tech se distanciarem ainda mais das ideias da administração do magnata do ramo imobiliário. Isso porque, antes da reunião, Microsoft, Facebook e Wordpress se negavam a comentar a medida que visa criar o registro de muçulmanos, dando a entender que poderiam concordar com ela dependendo do que Trump proporia.

As três empresas saíram da conferência falando a quem quisesse ouvir que jamais ajudariam a tornar tal ideia realidade.

Via Buzzfeed, Slash Gear, The Incerpet

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.