Apple e Samsung devem retomar acordo para fabricação de chips para o iPhone

Por Redação | 19.07.2017 às 10:11

Após cinco anos de separação e parcerias esporádicas, Apple e Samsung parecem ter dado as mãos mais uma vez. Pelo menos é isso que apontam novos rumores diretamente da linha de produção dos iPhones, que apontam para um acordo entre as empresas para fabricação dos processadores A12, que estão no coração das recentes propostas móveis da Maçã para o ano que vem.

As informações ainda não foram confirmadas oficialmente, mas apontam para o sucesso de uma movimentação que começou em março deste ano, quando a Samsung começou a investir em maquinário especializado para a fabricação de chips com tecnologias de sete nanômetros – coincidentemente, ou não, a mesma usada nos processadores da Apple. O boato ganhou ainda mais força quando Kwon Oh-hyun, um dos principais diretores da Samsung, fez uma visita aos escritórios da Maçã em Cupertino, há um mês.

Agora, a empresa sul-coreana deve dividir os esforços de fabricação do A12 com a TSMC, uma companhia taiwanesa que, até agora, era a única fabricante do processador. A ideia é intensificar a fabricação para uma segunda rodada de disponibilidade dos novos iPhones, a serem lançados no final do ano, dando tempo suficiente para que a Samsung teste os equipamentos que adquiriu e crie componentes de qualidade – algo que, inclusive, estaria diretamente vinculado à aprovação final da parceria pelos executivos da Apple.

Além dos chips, a parceria teria ambições ainda maiores, já que, corroborando rumores mais antigos, ambas as companhias também estariam preparando uma parceria no campo das telas OLED, com a asiática podendo ser a única fornecedora desse tipo de tecnologia para os iPhones. É uma mudança que, afirmam os rumores, deve acontecer a partir da próxima geração de aparelhos, em 2018, mas dar as caras já neste ano em uma edição premium do smartphone.

A união entre Apple e Samsung era forte até 2013, mas esfriou depois que a Maçã moveu um processo contra a rival pelo uso de tecnologias registradas, em 2011. A pendenga judicial foi longa e também resultou na interrupção de acordos de negócios, com a empresa de Cupertino mantendo negócios com a concorrente, mas limitando bastante o número de pedidos e tecnologias que encomendava dela – uma atitude que servia também para impedir a obtenção irregular de novas patentes pela marca.

Os rumores ainda afirmam que não deve existir alteração na participação da TSMC na produção de iPhones e outros produtos, com a Apple mantendo os contratos vigentes. Existiria, então, uma grande preocupação relacionada ao aumento de demanda, mostra de que a Maçã estaria realmente esperando grandes resultados para sua nova geração de smartphones.

A parceria de rivais com outros fabricantes no campo da produção de componentes é uma prática comum para empresas do mundo mobile, principalmente para a Samsung, que tem aí uma bela fonte de receitas. Foi isso, inclusive, que ajudou a empresa a ter, nos trimestres recentes, alguns dos melhores resultados de sua história, mesmo após o fracasso do Galaxy Note 7, seu penúltimo dispositivo de topo de linha.

Nenhuma das partes envolvidas, entretanto, comentou o caso. As informações, se verdadeiras, devem ser confirmadas em relatórios financeiros e outros documentos do tipo, uma vez que não é costume, para as empresas, comentarem sobre as relações que acontecem nos bastidores do setor mobile.

Fonte: The Korea Herald