Apple e Google são, de novo, as marcas mais valiosas do mundo

Por Redação | 05.10.2015 às 11:09

O mercado da tecnologia foi, mais uma vez, dominante no ranking anual de marcas mais valiosas da Interbrand, uma consultoria norte-americana. E quando se fala nesse segmento, não existem dois nomes maiores do que os da Apple e Google, que ocuparam as duas primeiras colocações mais uma vez pelo terceiro ano consecutivo.

O relatório divulgado nesta segunda-feira (05) coloca a Maçã na primeira posição com um valor de mercado de US$ 170,3 bilhões, um aumento de 43% em relação ao estimado no ano passado devido ao estrondoso sucesso do iPhone 6 e à chegada do Apple Watch, aparelho que representa a entrada em um novo segmento para a companhia.

Na segunda colocação, o Google aparece com um aumento de 12%, valor de US$ 120,3 bilhões e a abrangência cada vez maior do YouTube como site de produção de conteúdo como um dos principais motores para essa melhor avaliação. Mas entre todas as companhias analisadas, foi o Facebook que apresentou o maior crescimento, 54%, mesmo aparecendo só na 23ª colocação.

Boa parte das estreantes de 2015 também são do mundo da tecnologia. A Lenovo, por exemplo, apareceu pela primeira vez no ranking, no 100º lugar, fortalecida pelo crescimento do mercado de smartphones chinês. A PayPal também aparece pela primeira vez, em 97º lugar. Outros nomes do setor, como Nintendo e Nokia, deixaram o top 100.

Para a Interbrand, o ranking anual é, mais uma vez, prova de que as empresas do setor de tecnologia estão com uma presença cada vez mais forte na vida das pessoas. Do top 10 de companhias, seis têm o setor como seu principal campo de atuação. Serão sete se levarmos em conta também a General Electric, que apesar de não ter este como seu foco central, também tem forte participação no segmento.

A consultoria aponta para um fator ainda maior relacionado a tudo isso – a confiabilidade nas marcas não apenas é capaz de gerar mais faturamento para as empresas, mas também incrementar as rendas de publicidade, um elemento que vem se tornando cada vez mais importante para as empresas. Não é preciso falar nada do Google com relação a isso, mas uma prova de que a propaganda ganha importância cada vez maior é a Apple que, com seu agregador de notícias News, também pretende vender reclames direcionados, baseados naquilo que seus usuários acessam.

Sendo assim, as oportunidades não apenas para as dez primeiras, mas todas as empresas que aparecem no ranking, estão aí, caso elas queiram aproveitar – e a Interbrand recomenda que façam. Confira a lista com as dez maiores e suas respectivas variações e valores de mercado:

  1. Apple (43%, US$ 170,2 bi)
  2. Google (12%, US$ 120,3 bi)
  3. Coca-Cola (-4%, US$ 78,4 bi)
  4. Microsoft (11%, US$ 67,6 bi)
  5. IBM (-10%, US$ 65 bi)
  6. Toyota (16%, US$ 49 bi)
  7. Samsung (0%, US$ 45,2 bi)
  8. General Electrics (-7%, US$ 42,2 bi)
  9. McDonalds (-6%, US$ 39,8 bi)
  10. Amazon (29%, US$ 37,9 bi)

Para chegar a estes resultados, a Interbrand utiliza fatores como a quantidade de receita obtida pelos principais produtos das marcas, a lealdade de seus consumidores a ela e também o quanto sua presença determina ou não a compra de um produto. Só por aí, mesmo sem pesquisa alguma, já dá para entender porque Apple e Google estão nas primeiras colocações.

Fontes: Interbrand, The New York Times