Apple diz estar "trabalhando para levar Apple Pay a mais países o quanto antes"

Por Redação | 27 de Maio de 2016 às 10h50

O sistema de pagamentos móveis da Apple ainda é limitado a poucos países, mas a companhia sinalizou que isso está prestes a mudar. A empresa afirma estar trabalhando para levar o serviço o mais rápido possível para cada mercado onde a gigante de Cupertino vende seus produtos.

Essa é a declaração de Jennifer Bailey, vice-presidente para o Apple Pay. Em entrevista ao site TechCrunch, a executiva, mesmo sem dar uma data exata, destacou que o principal objetivo é expandir a plataforma para mais países da Ásia e da Europa. Bailey ainda citou como exemplo a rápida adoção do serviço em Cingapura, onde ele já suporta cinco grandes bancos que cobrem mais de 80% dos cartões desde que foi lançado, em abril deste ano.

Segundo a VP da plataforma de pagamentos, antes de lançar o sistema, a companhia avalia o tamanho do mercado e o impacto dos gadgets da Maçã naquela localidade. A entidade também leva em conta a penetração do débito e crédito como formas de pagamento naquele país, além de toda a parte burocrática envolvendo contratos, leis e exigências de cada instituição bancária. Também é verificado se o país em questão já é adepto de tecnologias que dispensam o contato entre aparelhos ou uso de cartões físicos.

"Mesmo quando levamos o Apple Pay para um mercado no qual a cultura de pagamento sem contato (ou seja, sem a utilização de cartões ou dinheiro vivo) é baixa, [sabemos que] ela vai crescer - nos Estados Unidos, por exemplo, era de 4% e agora ultrapassa os 20%. Nós também trabalhamos com nossos parceiros de rede, que permitem a integração com [as bandeiras] American Express e Visa, garantindo uma adoção mais rápida do mercado", comentou Bailey.

De fato, a utilização do Apple Pay nos países onde já está disponível surpreendeu até mesmo a Apple. Nos EUA, mais de 2.500 estabelecimentos já aceitam o sistema como forma de pagamento. Segundo Bailey, a China foi outro local que recebeu muito bem a plataforma, com um total de 19 instituições bancárias já oferecendo suporte. Só nos três primeiros dias em que foi lançado no país, no início de fevereiro, os chineses efetuaram mais de três milhões de transações usando o serviço mobile da Maçã.

Para o futuro, a vice-presidente afirmou que, no território norte-americano, a ideia é levar o Apple Pay também para os caixas eletrônicos. A companhia planeja a introdução de programas de fidelidade para os donos de iPhone, além de aumentar o número de bancos e cartões credenciados. Há ainda um rumor de que a plataforma ganhará uma versão web até o final de 2016, mas a empresa não confirmou essa informação.

Atualmente, o Apple Pay está disponível em seis locais do globo: Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Austrália, China e Cingapura. Em março, um documento vazado da MasterCard apontava que o serviço chegaria ao Japão, Cingapura, Hong Kong e Brasil ainda neste ano.

Vale lembrar que, em dezembro de 2015, a Maçã abriu uma vaga de emprego para gerente sênior de desenvolvimento de negócios para o Apple Pay no Brasil, então é bem provável que mais novidades sejam anunciadas nos próximos meses.

Fonte: TechCrunch