Após escândalos, Verizon sugere que pode desistir da compra do Yahoo

Por Redação | 14.10.2016 às 08:49

E a novela envolvendo a compra do Yahoo pela Verizon parece estar longe de acabar. A operadora de telecom americana se mostra cada vez com mais pé atrás em relação ao negócio firmado em julho.

Na quinta-feira, 13, o conselheiro geral da Verizon, Craig Silliman, disse a repórteres que a empresa tem uma "base razoável" para acreditar que a violação maciça de dados de contas de e-mail de usuários do Yahoo divulgada no mês passado representa um impacto material que a permite desistir do acordo de US$ 4,83 bilhões para comprar a empresa de tecnologia.

"Estamos aguardando o Yahoo nos mostrar qual seria o tamanho deste impacto. Se eles acreditam que não é [um impacto material], eles precisam nos mostrar isso", disse o executivo, recusando-se a comentar se as discussões para renegociar o preço da aquisição estão em andamento.

Vale lembrar que na semana passada a operadora havia demonstrados os primeiros sinais de que poderia estar arrependida da aquisição ao pedir um desconto de US$ 1 bilhão no valor acordado. O abatimento seria utilizado para cobrir custos processuais que podem surgir como consequência das más notícias divulgadas sobre a empresa em setembro.

Além de confirmar ter sido hackeada em 2014 e que 500 milhões de usuários tiveram os dados de suas contas roubados, também surgiu a informação de que o Yahoo estaria trabalhando em conjunto com o governo dos Estados Unidos e escaneando todas as mensagens de e-mail de seus usuários em busca de terroristas.

Ainda de acordo com Silliman, a aquisição do Yahoo pela Verizon foi aprovada pela Comissão Federal de Comércio dos EUA, mas ainda precisa do aval da Comissão Europeia e da Securities and Exchange Commission (SEC).

Há uma cláusula no acordo de compra segundo a qual a Verizon pode desistir do negócio se um acontecimento novo gere efeitos adversos nos negócios, ativos, propriedades, resultados da operação ou nas condições financeiras do Yahoo.

A empresa de internet, entretanto, se diz confiante de que seu valor permanece o mesmo. “Continuamos trabalhando pela integração com a Verizon”, diz o Yahoo.

Fonte: CNBC