Amazon quer que drones encontrem clientes em qualquer lugar

Por Redação | 11.05.2015 às 10:27

Embora a ideia da Amazon de fazer suas entregas utilizando drones seja realmente bem interessante, algumas questões ainda permanecem em aberto quanto ao funcionamento dessa novidade. Afinal, você vai ter que ficar esperando na porta para receber seu pedido ou torcer que ele deixe o pacote em segurança em um local específico? Pois a verdade pode ser ainda mais impressionante, já que a empresa vai saber exatamente onde você está.

Novos documentos detalham um pouco da tecnologia que a Amazon desenvolveu para otimizar todo esse processo. Segundo os registros, a empresa vai utilizar dados enviados de smartphones para determinar a localização de seus consumidores, permitindo que os drones saibam exatamente onde entregar suas encomendas.

É claro que isso não é algo obrigatório e que os usuários poderão definir outras opções de endereço. Caso você não queira ter um drone o seguindo por toda a cidade, será possível definir outras localidades específicas para que ele deixe seu pacote, como sua casa ou seu escritório.

A boa notícia é que, ao contrário do que acontece atualmente, a nova tecnologia da Amazon vai permitir que você altere o destino final do robô a qualquer momento. Se você pediu que seus itens fossem enviados para a casa da sua namorada e, no meio do caminho, achou melhor fazer com que sua mãe os recebam, pode fazer isso a partir do próprio smartphone sem qualquer complicação.

Outro ponto descrito pelos documentos diz respeito às leituras climáticas. Para evitar que os drones tenham problemas com chuvas ou neve, as unidades vão trocar informações constantemente sobre a condição do tempo a fim de evitar algum problema maior.

No entanto, tudo isso ainda é apenas uma patente que não sabemos se vai ou não se tornar realidade. Nos Estados Unidos, a Amazon ainda tem que enfrentar uma série de burocracias referentes ao uso do espaço aéreo que impossibilitam o lançamento do novo método de entregas. Apesar de bastante promissor, ainda há muito a ser regulamentado e discutido sobre o assunto antes de termos um robô nos caçando pelos céus da cidade.

Via: TechRadar