Alphabet usa avião particular do CEO em viagens de negócios – e paga por isso

Por Redação | 01.04.2016 às 13:25
photo_camera Divulgação

Uma relação um tanto inusitada apareceu em um relatório anual de performance financeira registrado pela Alphabet junto à Comissão de Valores Mobiliários do governo americano. Nos documentos, a empresa afirmou reembolsar seu próprio CEO, Eric Schmidt, pelo uso de seus aviões particulares em viagens de negócios. A medida, entretanto, não seria uma forma de o executivo obter lucro pessoal, e sim, garantir economia de gastos para a companhia.

Alphabet e Schmidt teriam concordado em uma taxa de US$ 7,5 mil por hora de utilização das aeronaves, o que, em 2015, teria resultado em um pagamento de US$ 396 mil para o CEO. É menos do que foi pago em 2014, quando houve um reembolso de mais de US$ 672 mil de uma só vez, quando os aviões do CEO foram usados para transportar convidados a uma única conferência.

De forma a evitar escrutínio e comentários maldosos, no próprio documento, a Alphabet já afirma que a taxa está abaixo do valor de mercado e não representa uma maneira de Schmidt obter ganhos para si próprio. O total de US$ 7,5 mil por hora estaria abaixo até mesmo dos custos operacionais que o CEO deve arcar simplesmente por possuir o avião. A fixação de uma taxa mostra que a companhia está disposta a utilizar com certa frequência as aeronaves do diretor.

Ele é integralmente dono de um avião e tem uma cota de 33% em outro, de propriedade de parceiros. Ambos, que constituem a frota de oito veículos do tipo possuídos pelos diretores do Alphabet e empresas que fazem parte do conglomerado, partem de um aeroporto particular, de posse da Alphabet, em Mountain View, nas proximidades de San Francisco, onde fica a sede da companhia e o famoso Vale do Silício.

E é aqui que está o x da questão. No fim das contas, Schmidt pode até não estar tendo lucro com a utilização de seus aviões, mas também não arca com o prejuízo, uma vez que a empresa colabora com ele na operação das aeronaves. Na ponta do lápis, também, é uma forma mais barata para a Alphabet de levar seus executivos, VIPs e convidados por aí, em vez de realizar ações de fretamento ou a aviação comercial para isso.

Fonte: Business Insider