Alibaba compra uma das principais lojas de aplicativos Android da China

Por Redação | 06.07.2016 às 11:59

O Alibaba continua expandindo sua atuação no mundo mobile. A gigante do e-commerce anunciou nesta quarta-feira (06) a compra do Wandouija, a quinta maior loja de aplicativos Android da China. Os números da transação não foram divulgados, mas a companhia teria pago cerca de US$ 200 milhões pela empresa.

Os dados mais recentes sobre o marketplace são de janeiro de 2014, quando a Wandouija veio a público anunciar que havia atingido a marca de 300 milhões de usuários. A estimativa é que, hoje, esse total chegue perto dos 400 milhões de utilizadores em serviços de download de apps gratuitos e compras de softwares pagos, além de motores de busca por texto e imagem e outros tipos de conteúdos focados em dispositivos móveis.

Por mais que o Alibaba tenha falado pouco sobre a aquisição e não tenha revelado seu valor, a empresa disse que o Wandouija passará a fazer parte de sua divisão mobile, ao lado de outras ofertas como o popular navegador UC Web, adquirido em 2014. A chegada de uma loja de aplicativos própria deve intensificar a presença móvel da empresa e criar um ecossistema que vai além do e-commerce, que suportará também outras soluções, como o serviço de pagamentos Alipay e ferramentas de análise de público. A ideia é que o marketplace se tornará uma das principais plataformas de disponibilização de conteúdo, principalmente para desenvolvedores que queiram entrar no mercado chinês.

Para os donos da loja online a aquisição vem como uma bela notícia. Ao se integrarem a uma gigante como o Alibaba, a startup, fundada em 2009, ganha relevância renovada e deixa de sofrer com a competição de operadoras de telefonia e outros players desse mercado, que vinham derrubando seus números ao longo dos últimos anos.

A última divulgação de números do Wandouija aconteceu quando a companhia recebeu um investimento de US$ 120 milhões do SoftBank, um dos principais bancos da China. Na época, a empresa era avaliada em US$ 1 bilhão. Dois anos e meio depois, entretanto, ela teria sido adquirida por US$ 200 milhões, um total que, de acordo com analistas, estaria abaixo de sua precificação atual, mas teria sido aceito pelos diretores pelo ganho de relevância que uma fusão desse tipo deve trazer.

Para o Alibaba, a compra não apenas representa a chegada de um novo canal de distribuição, mas também uma afronta direta à Baidu, seu grande rival no país, que, em 2013, adquiriu a 91 Wireless. Ao comprar uma das principais operadoras de telefonia da China, a empresa também levou para casa a maior loja de aplicativos Android do território, em um movimento que, para muita gente, ajudou a transformá-la na gigante digital que é hoje em dia.

Fonte: China Daily, TechCrunch