Zuckerberg: 'Em 10 anos, compartilharemos 1000 vezes mais dados na internet'

Por Redação | 23 de Outubro de 2012 às 16h00

O cofundador e atual CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, participou no último sábado (20) de uma conferência da escola de startups Y Combinator, da Universidade de Stratford, Estados Unidos, e afirmou que em 10 anos, estaremos compartilhando mil vezes mais dados do que hoje através do Facebook e outras redes sociais. As informações são do CNET.

"É uma versão social da Lei de Moore, aquela que afirma que o número de transistores nos chips aumenta a cada 18 meses", afirmou Zuckerberg. "Esperamos que essa taxa de partilha aumentará a cada 10 anos. Assim, em 10 anos a partir de agora, as pessoas vão estar compartilhando cerca de mil vezes mais do que fazem hoje".

O jovem executivo e sua companhia acreditam que nos próximos anos, os mais de 1 bilhão de usuários continuarão usando a rede social para não só entrar em contato com seus amigos e familiares, mas também para interagir com marcas.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Entrevista Mark Zuckerberg

Reprodução: CNET

A entrevista concedida no último sábado não era voltada para os negócios do Facebook e as preocupantes quedas no valor de suas ações. Mais de 1.700 empreendedores, vindos de diversas partes do país, lotaram o auditório da Universidade para ouvir Zuckerberg e se inspirarem em seu exemplo de sucesso.

O bate-papo foi voltado para os anos que Mark Zuckerberg passou na Universidade de Harvard, onde se formou em psicologia e começou a criar o Facebook em seu dormitório. "Eu senti essa necessidade de forma aguda", relatou o executivo sobre o seu plano de criação da rede social. "Eu comecei a construir o Facebook porque eu queria isso na faculdade, o que é uma grande ironia, já que logo eu deixei a faculdade".

Mark ainda afirmou que os novos empreendedores devem se focar em criar soluções para grandes problemas, algo que realmente lhes dê ânimo e paixão. "Um monte de empresas que vejo estão trabalhando em pequenos problemas", disse ele. "As empresas que estão se iniciando agora estão tentando copiar os outros e não serão bem-sucedidas".

E quando o assunto é o próprio Facebook, Zuckerberg argumenta que a rede social está mudando fundamentalmente o comportamento humano, expandindo o número de pessoas que estão em contato umas com as outras.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.