Yves Guillemot, CEO da Ubisoft, pensa em investir em games free-to-play

Por Redação | 22.08.2012 às 16:58

A quantidade de jogos Free-To-Play pode aumentar, pelo que depender da indústria de games e, principalmente, da indústria pirateira.

O pessoal da "muamba" está pegando pesado, carregando sua bandeira de democracia de compartilhamento e enchendo os computadores e consoles da galera com títulos que, algumas vezes, mal chegam às lojas.

Em entrevista ao site GI.biz, o presidente da Ubisoft, Yves Guillemot, aproveitou para mais uma vez tomar a frente e dizer algumas palavras sobre essa pedra no sapato, que tem dado dores de cabeça incalculáveis para o mercado de jogos. O lado que diz respeito aos PCs é onde o calo mais aperta nesse sentido, e é área fértil para quem quer jogar de graça.

Com a consciência previamente preparada, Guillemot quer investir os artifícios da empresa nessa ideia: "Queremos desenvolver para o mercado de PCs, que tem uma lista grande de jogos online gratuitos. A vantagem dos F2P é que poderemos alcançar números positivos de receita em países que não chegávamos antes. Lugares onde nossos produtos são comprados, mas o resultado financeiro não condiz com os números de distribuição. Com F2P ganhamos em receita, e as marcas podem durar mais".

Para o CEO nada é mais anti-pirataria do que os jogos gratuitos, pois em suas contas temos 95% das pessoas jogando títulos ilegalmente. "O dinheiro que arrecadamos das pessoas que jogam nossos títulos vem a longo prazo, graças a uma massa incrivelmente grande de pessoas que incentivam essa prática negativa para a indústria", protestou Guillemot.

Mesmo com a iminência dos consoles da nova geração, ele pede para que as desenvolvedoras estejam sempre preparadas, pois o mercado ilegal está em constante crescimento.

pirataria