Yahoo fecha o Xobni e outros produtos menores

Por Redação | 03.07.2014 às 13:45

O Yahoo continua “limpando a casa” e focando apenas nos produtos com maior número de usuários, com a ideia de se tornar mais eficiente e direcionada. Agora, é a vez do serviço de gerenciamento de emails e listas de contatos Xobni dar adeus e entrar em seu último dia de funcionamento nesta quinta-feira (3).

A empresa foi adquirida pelo Yahoo no ano passado e, como normalmente acontece em negócios desse tipo, viu os serviços de seu principal produto integrados a uma plataforma maior de sua controladora, nesse caso, o Yahoo Mail. Por isso mesmo, a empresa liderada por Marissa Mayer não vê razão para continuar operando o Xobni e, então, decidiu fechá-lo.

Não é exatamente o que os usuários estavam esperando. Na época da compra da empresa, o Yahoo afirmou que os usuários poderiam continuar utilizando os serviços “indefinidamente”, como lembrou o Techcrunch. Agora, porém, a empresa anunciou publicamente o fechamento do Xobni e disse já ter falado nesse assunto antes, o que não é necessariamente verdade.

Então, se você ainda utiliza o aplicativo, é melhor ir dando adeus a ele e se acostumando à interface do Yahoo Mail. Segundo a companhia, mesmo quem possui o aplicativo instalado no celular não poderá usar os serviços do Xobni, cujos servidores serão desligados em um horário ainda indefinido nesta quinta.

Outros produtos menores do Yahoo também estão sendo encerrados. É o caso da barra de ferramentas do Yahoo para o navegador Google Chrome e os relatórios de pesquisa que faziam parte da rede do Yahoo Finance. Além disso, serão fechados o canal para o público feminino Yahoo Shine e os serviços de postagem de conteúdo pelos usuários Yahoo Voices e Contributor Network. Todos, porém, ainda vivem até o final do mês, com exceção da Toolbar, que morre em 22 de julho.

A razão para o fechamento de todos esses serviços é bastante direta: corte de custos. Se recuperando dos problemas pelos quais passou bem recentemente, o Yahoo busca agora um funcionamento mais eficiente e direto, sob a tutela da CEO Marissa Mayer. E é nesse ensejo que os produtos com pouco fluxo de usuários, ou que sejam redundantes, deixarão de existir.

São três os focos do Yahoo no momento: conteúdo, vídeo e buscas. A empresa está investindo forte nesses setores, contratando jornalistas americanos renomados para tocar seus esforços no mundo da mídia e ressuscitando séries como Community, por exemplo, que foi salva do cancelamento mais uma vez e se tornará um show exclusivo da marca.