Tim Cook diz que "problema" da Microsoft é o tradicionalismo

Por Redação | 19 de Março de 2015 às 09h57

Em uma entrevista recente, o CEO da Apple, Tim Cook, deu uma alfinetada na Microsoft na mesma medida em que protegia uma de suas decisões polêmicas mais recentes, a de mudar completamente o conector USB dos novos MacBooks e apostar em uma entrada única. Para o executivo, é essa a diferença que fez com que a Maçã permanecesse relevante às mudanças do mercado, enquanto a rival passa por problemas, luta em diversas frentes, como o setor mobile, e vê a queda nas vendas de computadores como um fator a ser considerado.

Ele explica que é esse tradicionalismo que causou tudo isso e que a companhia de Bill Gates se prende demais ao passado e a seu legado. A Apple, por outro lado, “sabe a hora de seguir em frente”, deixando para trás tecnologias que, por mais que sejam populares e queridas pelos usuários, possam não estar mais funcionando como parte integrante de um produto.

Cook citou o passado como exemplo, lembrando de quando a Apple, em 1998, mudou paradigmas investindo em iMacs coloridos e sem drives de disquete. Mesmo sabendo que a mídia ainda era extremamente popular, aquele era o momento de seguir em frente e propagar novas tecnologias, em uma alternativa que, na época, foi encarada com críticas, mas mais tarde se tornou bastante acertada. De acordo com o CEO, a ideia é nunca fazer as coisas simplesmente para minimizar riscos.

Na contramão, acredita o executivo, a Microsoft tentou manter seu domínio no mercado fazendo com que absolutamente tudo fosse compatível, sem abrir mão de nada. Ao se manter presa à história, porém, a companhia acabou ficando para trás e perdendo a chance de inovar, enquanto via o mercado sendo dominado por alternativas como o iOS e os navegadores Chrome e Firefox, apenas para citar alguns exemplos.

Uma coisa, porém, Cook faz questão de dizer que nunca deve ser deixada de lado: os valores de uma empresa. Para ele, é essa a motivação que deve fazer com que as pessoas trabalhem e criem coisas novas em vez de ficarem presos ao passado. Na Apple, o lema é “mudar o mundo” e, para o executivo, é isso que faz com que ele e a maioria de seus funcionários levantem todos os dias de manhã.

Mais um caso

A fala tem razão de ser. A “grande mudança” atual da Apple, como já dito, foi a alteração dos cabos USB tradicionais por uma porta única do tipo C nos novos MacBooks. Com isso, a mesma entrada será usada para absolutamente todos os fins, desde carregar a bateria do aparelho até conectar monitores externos, pendrives ou celulares para transferência de dados. Só os fones de ouvido escaparam dessa e terão seu conector próprio.

Desde já, a Maçã vem sendo duramente criticada pelo que, para alguns, é um movimento claro para vender mais adaptadores. Há quem acredite que a “fineza” do produto não é um argumento que justifique uma redução drástica assim no número de entradas USB, tornando a esmagadora maioria dos produtos atuais – incluindo iPhones e iPads, da própria fabricante – incompatíveis com os MacBooks.

Mais uma vez, Cook e a Apple apostam no futuro para provar quem está certo ou errado. Os cabos do tipo C realmente são a nova onda de conectividade, mas parece que ainda vai levar alguns anos para que eles se tornem padrão. Resta saber, então, se os novos MacBooks estão correndo muito à frente de seu tempo ou chegam no momento exato para operar uma mudança nos padrões e nas cabeças das pessoas.

Via Fast Company

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.