Sony tem previsão de queda anual de US$ 2,14 bilhões

Por Redação | 17 de Setembro de 2014 às 17h23

As coisas não andam lá muito boas para a Divisão de Comunicação Móvel da Sony. O presidente da empresa, Kazuo Hirai, amarga seu sexto corte de despesas e tem no setor de telefonia móvel o maior prejuízo da companhia, avaliado em US$ 1,7 bilhão. A gigante japonesa anunciou na terça-feira (16) uma revisão de seus números e a previsão é de que encerre o ano fiscal em março de 2014 com perdas em torno de US$ 2,14 bilhões.

A Sony, que se preparou ao longo dos últimos anos para estar à altura da concorrência da Apple e da Samsung no mercado de smartphones e tablets, agora aceita sua derrota e vai precisar sair do cenário dos "grandes" desse setor para reestruturar sua linha de celulares. "Há uma mudança significativa no mercado e no ambiente competitivo dos negócios de dispositivos móveis", afirma a Sony, de acordo com o The Verge.

Entre as razões para que seus celulares não tenham vendido o esperado estão o crescimento de alternativas de celulares mais baratos (e tão eficientes quanto) para o público de baixo e médio poder aquisitivo. Aparelhos como o Moto G ou os da chinesa Xioami, por exemplo, têm dado muita dor de cabeça para os concorrentes – não somente para a Sony, como para a Samsung e a Apple também.

Kazuo

Some a isso à pouca habilidade da divisão móvel para negociar com as operadoras nos mercados chinês e estadunidense. A estratégia de Hirai para tentar uma reviravolta no próximo ano é reestruturar a divisão de aparelhos móveis, incluindo a demissão de mil dos 7.100 funcionários desse setor da Sony.

"Por enquanto, ao invés de buscar mais espaço no mercado ou aumentar as vendas de unidades, vamos identificar os mercados de risco e nos concentrar no que é revertido em lucro", diz o executivo. Além das demissões e mudanças internas, a Sony também deve deixar de investir nas linhas mais acessíveis e para o público de médio poder aquisitivo para capitalizar seus aparelhos topo de linha, como os da família Xperia Z3.

A estratégia também visa concentrar as ações em mercados e produtos estáveis, para não comprometer ainda mais as finanças. Quem não gostou nada dessas notícias foram os investidores da Sony.

Fonte: http://www.theverge.com/2014/9/17/6300093/sonys-inability-to-sell-mid-range-smartphones-is-costing-it-billions

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!