Sony quer vender antiga sede em Tóquio para reduzir despesas

Por Redação | 28.02.2014 às 17:15

A Sony está a procura de um comprador para o prédio de sua antiga sede na parte central de Tóquio, na tentativa de reduzir suas despesas no setor de dispositivos eletrônicos, afirmou uma fonte familiar ao plano ao The Wall Street Journal.

A venda dos prédios na capital japonesa faria parte de uma iniciativa da empresa de se desfazer de propriedades ao redor do mundo que começou no ano passado. Em janeiro de 2013, a empresa anunciou um plano para se desvencilhar por US$ 1,1 bilhão do seu edifício-sede norte-americano, em Nova York. Em fevereiro, a empresa também se desfez de um de seus principais prédios em Tóquio por US$ 1,1 bilhão.

Agora o edifício que foi sede da empresa entre os anos de 1990 até 2007 pode ser o próximo na lista. De acordo com o jornal, ele abriga atualmente operações não relacionadas a consumidores da empresa.

A notícia da venda começou a ser divulgada pela mídia japonesa na última sexta-feira e foi repercutida como a prova de que a Sony está disposta a qualquer coisa para colocar seu plano de reestruturação em dia.

A estimativa é que o prédio na região de Gotenyama, considerada por muitos o local de nascimento da empresa, seja vendido por cerca de US$ 146 milhões. A empresa chegou a possuir dez prédios diferentes no local, que ficou conhecido como "Sony Village".

No início do mês, a empresa anunciou a venda de sua unidade de produção de computadores Vaio, assim como a demissão de 1,5 mil funcionários no Japão e outros 3,5 mil no exterior até o fim de seu ano fiscal. Na última quarta-feira (26), a companhia também anunciou que iria fechar 20 de suas 31 lojas nos Estados Unidos, demitindo um terço do total de seus funcionários no país.

A expectativa da Sony é de encarar perdas de US$ 1,1 bilhão neste ano, puxada principalmente pelas áreas de PC e TVs.