Samsung nega que fornecedora chinesa contrata menores de idade

Por Redação | 28 de Agosto de 2014 às 18h25
TUDO SOBRE

Samsung

No início de julho, a China Labor Watch, uma organização que combate o trabalho infantil no país asiático, acusou uma das fornecedoras da Samsung de empregar adolescentes em suas unidades de produção. Agora, a fabricante do Galaxy S5 volta a ser alvo de críticas da mesma ONG, que afirma ter descoberto que mais uma das parceiras da fabricante coreana estaria empregando menores de idade.

As denúncias da vez atingem a HEG Electronics, uma companhia da Província de Guangdong que trabalha na montagem de produtos para a Samsung, além de ter contratos também com a Lenovo. De acordo com o China Labor Watch, pelo menos dez dos empregados da fábrica são menores de 16 anos e um deles, pelo menos, tem apenas 14 anos de idade.

Em resposta, ao site The Next Web, a Samsung disse estar ciente dos relatos, mas que uma investigação posterior, realizada pela própria marca, confirmou que as informações são falsas. Além disso, a empresa coreana lamentou o fato de que a China Labor Watch não incluiu em seus relatórios a realização de auditorias internas da própria companhia, bem como a notícia de que esse tipo de trabalho não teria encontrado nenhuma suspeita de que menores de idade estariam trabalhando na fábrica.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Indo além, a Samsung afirma sempre levar muito a sério qualquer tipo de alegação desse tipo e possui um grupo interno dedicado exclusivamente a apurar tais denúncias. Na China, a contratação de menores de 16 anos é ilegal, mas mesmo essa idade é considerada baixa demais para a fabricante coreana, que apenas coloca para trabalhar os maiores de 18 anos.

Esse tipo de atitude é compartilhada por outras empresas de tecnologia que possuem negócios na China e acabou levando a um mercado negro de identidades, com jovens em situação miserável buscando documentos falsos para que possam trabalhar e ajudar suas famílias. Normalmente, os adolescentes em tais condições aceitam os empregos por um salário menor e não aparecem nos registros oficiais, sendo contratados por agências de terceiros ou empresas fantasmas.

A cada semestre, a Samsung libera um relatório de sustentabilidade que inclui, também, informações sobre a presença ou não de trabalho infantil em suas instalações. Na última edição do documento, revelada no início de julho, a empresa apontou irregularidades em 59 de seus 100 fornecedores, mas nenhuma relacionada à presença de menores de idade, e sim à ausência de equipamentos de segurança ou planos de evacuação no caso de emergências.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.