Rússia remove memorial a Steve Jobs após Tim Cook se assumir gay

Por Redação | 04 de Novembro de 2014 às 10h41
photo_camera Foto: Divulgação

Um grupo de empresas russas pediu a destruição de um memorial em tributo ao fundador da Apple, Steve Jobs, depois que o atual CEO, Tim Cook, assumiu sua homossexualidade na semana passada. Em uma carta comovente publicada no Bloomberg Businessweek, Cook declarou que tem orgulho em ser gay e considera que o fato de ser homossexual está entre um dos maiores presentes que Deus o deu.

A estátua no formato de iPhone foi erguida na área externa de uma universidade de São Petersburgo, em janeiro de 2013, pelo grupo ZEFS. De acordo com informações da Reuters, o ZEFS afirma que precisa obedecer a lei que combate à propaganda gay. "Na Rússia, a propaganda gay e outras perversões sexuais entre menores de idade são proibidas por lei", afirma o grupo, já que a homenagem era direcionada a jovens estudantes e acadêmicos.

O pedido das empresas foi finalmente antendido na manhã desta terça-feira (04), quando o ZEFS removeu a réplica do smartphone de quase 2 metros de altura. "Depois que o CEO da Apple, Tim Cook, defendeu publicamente a sodomia, o monumento foi desmontado para cumprir a lei russa que protege as crianças de informações que incentivem a negação dos valores familiares tradicionais", justificou-se o grupo.

Monumento a Steve Jobs é removido na Rússia

Um dia depois da declaração de Tim Cook, o político russo Vitaly Milonov anunciou que pretende banir o CEO da Apple do país para sempre. De um lado, Putin comenta não existir discriminação contra gays no país e que a medida é apenas uma forma de proteção aos jovens. Porém, membros da comunidade gay afirmam que a medida só dificultou os problemas que os homossexuais enfrentam na Rússia.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.