Rumor: Google também quer atuar como operadora de telefonia móvel

Por Redação | 22.01.2015 às 10:47

Em um esforço para diminuir ainda mais a fragmentação do Android, oferecer um suporte ainda maior para os usuários da plataforma e, acima de tudo, expandir seus negócios para um terreno já conhecido, o Google estaria pensando em atuar também como uma operadora de telefonia. Pelo menos é isso o que indica o The Information, cuja matéria fala numa possível criação de um novo serviço da empresa nos Estados Unidos.

A ideia seria controlar absolutamente todos os aspectos da experiência de seus clientes com o Android. Trabalhando como uma operadora, a companhia seria capaz de lidar com a venda de aparelhos e também de planos de voz e dados para a melhor utilização do sistema. Assim, também, proporcionaria um lançamento mais rápido das atualizações do sistema operacional e poderia até mesmo oferecer funções exclusivas para os seus usuários.

Para alcançar esse objetivo, a gigante das buscas atuaria no esquema de “operadora virtual”. Ou seja, ela alugaria a infraestrutura física já existente de empresas como Sprint e T-Mobile – duas grandes empresas do ramo nos EUA – para operar seus serviços sem incorrer em altos custos de instalação e manutenção.

Além disso, o tamanho empresarial do Google também permitiria que a companhia trabalhasse com valores abaixo das empresas que já estão no mercado, mesmo daquelas de quem estaria locando a infraestrutura. A ideia, aqui, seria oferecer mais um serviço do que obter uma nova fonte de lucros, já que os fundos de outras operações mais lucrativas com o Android financiariam este que seria mais um serviço adicional disponível para a plataforma.

O veículo afirma que a ideia já vem desde o segundo semestre do ano passado, quando a primeira empreitada do Google para lançar o serviço acabou não dando muito certo por motivos desconhecidos. Apesar disso, a empresa parece firme na iniciativa e estaria trabalhando para lançar a novidade ainda neste ano, talvez a tempo da chegada dos novos Nexus às prateleiras, dando um belo incentivo para a migração de seus usuários.

Oficialmente, porém, nada confirmado. O Google não costuma comentar sobre rumores ou especulações e, nesse caso, não foi diferente.