Relembre os momentos mais marcantes (e ridículos) da carreira de Steve Ballmer

Por Redação | 12 de Dezembro de 2013 às 17h22

Há 33 anos como funcionário da Microsoft e CEO da companhia desde janeiro de 2000, Steve Ballmer disse no mês de agosto que está se desligando da empresa e que é hora de descansar. O anúncio fez com que tivesse início um enorme mutirão em busca de um substituto para o cargo que o executivo deixará vago.

Ballmer sempre foi o oposto daquilo que o cargo de CEO geralmente exige. Expansivo, barulhento e um exímio quebrador de protocolos, ele foi capaz de surpreender a todos com sua capacidade de pagar micos. E é justamente por isso que, em tom de despedida, a Infoworld resolveu homenageá-lo fazendo uma compilação com seus 8 momentos mais marcantes – e ridículos – enquanto esteve na Microsoft.

Windows 1.0 vendido a la Steve Ballmer

Se você acredita que a maluquice de Ballmer é recente e ele só começou a gritar e pular depois que assumiu a cadeira de CEO da Microsoft, então você está enganado. Há 28 anos ele foi o garoto propaganda do, àquela época, recém-lançado Windows 1.0. No vídeo, que foi exibido numa conferência da equipe de vendas da companhia, um Ballmer mais novo exalta as qualidades e recursos do novo sistema operacional. O estilo? Aquele que você já conhece.

"O Linux é um câncer"

Em 2001 Ballmer concedeu uma entrevista ao Chicago Sun Times e externou uma de suas percepções particulares, comparando softwares de código aberto com o câncer:

"O Linux não está em domínio público. O Linux é um câncer que se une a qualquer propriedade intelectual quando a toca. É assim que ele funciona".

A polêmica, no entanto, foi deixada de lado alguns anos mais tarde, quando a Microsoft iniciou uma jornada para atrair novos desenvolvedores para sua plataforma em 2007. Na ocasião, Ballmer disse que adoraria que "todas as inovações open source acontecessem no Windows".

"Eu vou matar o Google"

Num belo dia do mês de novembro de 2004, o até então engenheiro da Microsoft Mark Lucovsky se dirigiu ao escritório de Ballmer para lhe dar uma má notícia: ele estava de saída para o Google. O que aconteceu durante aquela reunião foi revelado por Lucovsky algum tempo depois num depoimento judicial sobre a contratação de funcionários da Microsoft pelo Google:

"Em um momento da conversa, Ballmer disse: 'Só me diga que não é o Google'. Eu disse a ele que era o Google. Naquele momento Ballmer pegou uma cadeira e a arremessou, acertando uma mesa do seu escritório. Ballmer então disse: 'Eric Schmidt é um babaca. Eu vou enterrá-lo. Já fiz isso e vou fazer novamente. Eu vou matá-los!'"

Questionado sobre o caso, o em breve ex-CEO da Microsoft negou ter infringido os direitos civis de qualquer objeto inanimado.

iPhone, "o telefone mais caro do mundo"

Logo após o anúncio do primeiro iPhone, em 2007, um repórter perguntou a Ballmer quais eram suas impressões sobre o novo dispositivo da Apple. Steve deu uma risada e disse:

"US$ 500?! Totalmente subsidiado, com um plano pós-pago? Eu digo que esse é o telefone mais caro do mundo e não foi feito para pessoas de negócio. Ele nem tem um teclado e isso não o torna um dispositivo muito bom para e-mails".

Continuando seu discurso, hoje Ballmer nos faz rir ao destacar os "ótimos aparelhos com Windows Mobile" que a empresa tinha à época e o incrível "Motorola Q, que custa só US$ 99"! O resto da história, no que o iPhone se tornou e o que a Microsoft teve que fazer para conquistar um pequeno pedaço de terra no mercado mobile, todos nós já conhecemos.

O mecanismo de busca da Microsoft vai arrasar, "algum dia"

Nos primóridos da Web 2.0, Ballmer participou de um bate-papo interativo em que as pessoas enviavam perguntas ao apresentador e a ele. Questionado sobre quais conselhos ele daria para o Microsoft Search, a sua mais nova cria à época, com bom humor, ele respondeu:

"Eu diria, 'Você só tem três anos e nós temos colocado você para jogar basquete com outros de doze anos. E quer saber? Você está crescendo rápido, você está melhorando a cada dia que passa, tem todo o potencial do mundo. E pode até demorar até que você tenha dez anos, mas algum dia você arrasar com esses caras'".

Para a decepção de Ballmer, o agora chamado Bing já tem quase dez anos e ainda não ultrapassou a concorrência.

Android é coisa para nerd

Raríssimas foram as vezes que Ballmer conseguiu ficar calado e afastado dos holofotes da imprensa. Em 2011 ele conseguiu esse feito, mas quando voltou, voltou com tudo e berrando aos 7 cantos do mundo que a Microsoft estava "ganhando, ganhando, ganhando e ganhando" da concorrência.

Na mesma ocasião, o CEO exaltou o Windows Phone, deu alguns motivos para o público comprá-lo e alfinetou a concorrência: "ao contrário do Android, você não precisa ser formado em Ciências da Computação para usar o Windows Phone. É difícil se animar com os telefones com Android".

Hoje, ou temos muitas pessoas formadas em Ciências da Computação, ou Ballmer estava completamente equivocado, pois o Android lidera o mercado com bastante folga, enquanto o Windows Phone está atrás do robô verde e da Apple, com apenas 4,1% de participação no mercado.

Windows Vista, "o maior lançamento da história do software"

Nunca nenhum produto da Microsoft repercutiu tão negativamente a imagem da companhia quanto o Windows Vista – nem mesmo o Windows ME. Por esse motivo, é curioso analisar e perceber como a opinião de Ballmer sobre esse produto em particular evoluiu ao longo dos anos.

  • Setembro de 2005: em entrevista à revista Business Week, Ballmer se diz empolgado com o que está por vir com o Windows Vista. "Nós temos mais de 8.000 desenvolvedores que estão fantasticamente animados com esses novos produtos [o Vista e o Office 2007], não apenas como profissionais, mas como consumidores deles". Questionado sobre o atraso do novo sistema operacional para chegar às prateleiras, ele exclamou: "O Vista estará nas lojas no próximo ano. E ele nunca esteve atrasado!";
  • Janeiro de 2007: "O Vista não só é o maior lançamento da história do software, como também é o mais amplo que já fizemos. Estamos muito empolgados com ele, com o que significa para os consumidores e para a indústria dos computadores";
  • Maio de 2008: "O Vista não é um insucesso e não é um erro";
  • Maio de 2010: Ballmer finalmente admite que a Microsoft cometeu erros cruciais no desenvolvimento do Vista e que "ele não foi bem executado";
  • Setembro de 2013: "A coisa de que mais me arrependo foi o que fizemos com o Windows Vista".

O Windows Vista também se tornou o maior arrependimento daqueles que o compraram.

25 anos em grande estilo

Mesmo que você não conhecesse Ballmer até agora, é possível que tenha percebido que ele sempre foi um cara excêntrico e um tanto quanto lunático nas suas afirmações e maneira de agir. Se ainda houver alguma dúvida quanto a isso, o próprio Ballmer faz questão de tirá-la da sua cabeça.

Quantas vezes presenciamos um CEO pulando no palco como um louco, descontrolado e completamente fora de si como Steve Ballmer? O vídeo acima foi gravado numa conferência em comemoração aos 25 anos da Microsoft em 2000 e Ballmer tinha assumido o cargo de CEO da companhia pouco tempo antes. E essa não foi a única vez que ele ficou todo entusiasmado assim, não.

Numa outra ocasião, o executivo discursou sobre a importância que os desenvolvedores têm para o Windows e a companhia e acabou se empolgando demais. O resultado foi esse:

Há quem o classifique como um péssimo CEO, culpando-o pelo fracasso da Microsoft em se reinventar e conquistar os novos mercados que surgiram pós-Web 2.0. Outros o consideram simplesmente como um excêntrico que, graças ao seu carisma e amizade com Bill Gates, que até se emocionou ao falar sobre a despedida do amigo, chegou ao cargo máximo da Microsoft.

Independente de qualquer percepção sobre ele, é certo que sentiremos falta do Steve Ballmer falastrão que nos proporcionou inúmeros momentos curiosos e divertidos como esses.

Inscreva-se em nosso canal do YouTube!

Análises, dicas, cobertura de eventos e muito mais. Todo dia tem vídeo novo para você.