Por que toda empresa se tornará uma empresa de software

Por Colaborador externo | 25.04.2014 às 12:05

Por Adam Spearing*

Pela primeira vez, as aplicações estão realmente livres: com a mobilidade e a banda larga sem fio, presente em todo lugar, elas perderam limitações e estão sendo difundidas por meio de poderosas APIs (interfaces de programação de aplicativos) de consumo. E elas também estão se tornando onipresentes, inseridas em quase todas as ferramentas e dispositivos que usamos hoje.

É por isso que, independente do negócio, estamos vendo seu renascimento em aplicativos e dispositivos conectados - seja nas aplicações de uso industrial, empresarial ou de consumo. O que torna tudo isso possível são APIs voltadas para o consumidor e a capacidade de permitir a rápida construção de aplicativos para quase qualquer formato, com acessos a dados em qualquer lugar e segurança para proteger informações confidenciais e regulamentadas.

O que o movimento da API voltada ao consumidor significa para as empresas?

Significa que todas as empresas, sem importar para o que criam, fazem ou oferecem são, ou em breve serão, uma empresa de software. Ou, mais precisamente, a maioria será um negócio de APIs. Acha que é um exagero?

Considere uma simples escova de dentes. É a mais simples das ferramentas modernas e, ainda sim, um software é utilizado nessa experiência diária. Uma experiência que provavelmente não mudou muito em mais de 100 anos. No entanto, usando APIs voltadas para o consumidor, a escova de dentes Philips Sonicare, por exemplo, transformou a relação entre a organização e o cliente.

A escova de dentes rastreia informações sobre o comportamento do usuário durante a escovação, o que significa que os filhos não terão mais de convencer seus pais de que eles escovaram os dentes antes de dormir e os adultos não serão mais capazes de enganar seus dentistas também. E isso é só o começo. O que acontece quando o uso do dispositivo é compartilhado de volta para a nuvem e para o fabricante? Um tsunami virtual de informações e insights sobre o comportamento do cliente liberará a próxima onda de inovação orientada diretamente por clientes reais - por você!

E os nossos relacionamentos com muitos de nossos dispositivos mais comuns estão se transformando: relógios de pulso, balança, carros, iluminação da casa, aquecimento doméstico e ar condicionado. Mesmo as nossas geladeiras. Nomeie o dispositivo e descubra que ele está conectado e aprimorado por softwares e APIs voltadas para o consumidor, com acesso à Internet. Ainda acha que este é um nicho de tendência?

De acordo com a pesquisa de mercado da IDC, o mercado de sistemas inteligentes – aparelhos com processadores de alto desempenho, conectividade com a Internet e sistemas operacionais poderosos – chegará a U$ 2.4 trilhões em 2017. São U$2.4 trilhões!

Shane Rau, analista da IDC, acredita que sistemas inteligentes criam uma experiência de usuário mais rica e fornecem dados relevantes que eles necessitam no momento exato em que precisam. Nós concordamos. São sistemas inteligentes que alimentam a Internet das Coisas (Internet of Things - IoT) e, desencadeados pelo conjunto certo de APIs, ajudarão a fornecer o principal impulso de valor da TI nos próximos anos.

Enquanto a maior parte das atividades com a Internet das Coisas e APIs voltadas para o consumidor forem a ambas as extremidades do espectro – sendo aplicativos conectados voltadas para aplicações altamente industriais em uma extremidade e aplicações muito focadas no consumidor na outra –, nós veremos muito mais a utilização por empresas B2B e os funcionários adotando os aplicativos conectados e APIs de consumo. Assim como os "consumidores" levaram a sombra da TI e os dispositivos móveis pessoais, eles também vão levar essa experiência do "consumidor" para a empresa.

Considere os aplicativos que estão começando a ocupar aparelhos como relógios inteligentes, dispositivos portáteis de produtividade como o Pebble e óculos inteligentes. Esses são, certamente, dispositivos de nicho agora, mas estarão, em breve, em fase de adaptação. E muitos serão os principais produtos em pouco tempo. Chegou o momento em que os desenvolvedores devem começar a pensar sobre como aproveitar essas tendências.

E essa tendência certamente não impactará apenas os aplicativos de consumo. Os clientes corporativos vão querer ver seus aplicativos de negócios e suas equipes trabalhando tão bem e tão proativos quanto suas escovas de dentes. Quando um sistema para de funcionar ou quando há uma interrupção na cadeia de abastecimento digital, os planos da equipe mudam - esses aplicativos e dispositivos conectados devem enviar avisos e instruções contextuais sobre como corrigir o problema.

Por exemplo, muitas organizações já têm IP ativados na segurança de seu edifício com cartões inteligentes. Varejistas estão procurando maneiras de estender como eles gerenciam seus estoques, que vão além da cadeia de suprimentos comum RFID de hoje e das capacidades de gestão de inventário. E todos os ativos da empresa estão sendo conectados à rede: desde veículos de propriedade da empresa, equipamentos de escritório, máquinas de produção, equipamentos hospitalares – nomeie o ativo e perceba que ele está sendo conectado à rede.

No entanto, a verdade é que grande parte dos desenvolvedores não está pronta para esse novo ambiente recém-conectado, móvel, com negócios sociais e APIs voltadas ao consumidor. Eles não entendem o que seus clientes querem e o que precisam hoje.

Mas isso só significa que os desenvolvedores têm uma oportunidade inegavelmente forte. É uma oportunidade para as equipes de desenvolvimento independente entregarem o que os clientes precisam e é uma oportunidade de sucesso para as empresas que entendem melhor seus clientes do que seus concorrentes.

Stephen O'Grady, analista da Redmonk, afirmou que "os desenvolvedores são os novos fazedores de reis". Essa é apenas a ponta do iceberg. Os desenvolvedores que lideram a próxima onda de TI e aplicativos por meio de APIs voltadas para o consumidor serão muito mais do que fazedores de reis, pois eles serão os imperadores de uma economia inteiramente nova.

*Adam Spearing é Vice-Presidente regional de Plataforma para EMEA da Salesforce.com