Para Steve Wozniak, Brasil tem potencial para ser líder mundial em tecnologia

Por Rafael Romer | 13 de Novembro de 2014 às 10h45

O cofundador da Apple Steve Wozniak afirmou nesta quarta-feira (12) que acredita que o Brasil e o México são os dois países com maior potencial para serem líderes mundiais em tecnologia no futuro.

"Brasil e México, eu adoro a paixão que nós vemos nas pessoas, a emoção que há aqui. Eu acho que esses deverão ser os próximos líderes de tecnologia no mundo", afirmou durante um bate-papo com participantes do evento Vision, promovido pela empresa de segurança Symantec, em São Paulo.

Para Wozniak, o potencial do Brasil em desenvolver seu setor tecnológico já existe e só depende da mobilização de investidores e do governo para habilitar essa expansão. Aos jovens empreendedores, o engenheiro sugeriu que primeiro é necessário garantir estabilidade com um trabalho e uma moradia própria para aí começar a trabalhar em suas ideias e projetos paralelos durante o tempo livre.

Durante a apresentação, ele também falou sobre sua relação com o parceiro fundador da Apple, Steve Jobs, e as diferentes características dos dois.

Wozniak se definiu como uma pessoa que busca evitar conflitos, um engenheiro que sempre preferiu estar próximo da construção de gadgets, software e novas tecnologias e nunca quis se aproximar dos negócios da empresa.

Steve Wozniak

O co-fundador da Apple, Steve Wozniak, durante apresentação no Symantec Vision nesta quarta-feira (12) (foto: Divulgação/Symantec)

Segundo ele, isso era o oposto de Jobs, que passou por várias fases na vida e se transformou em um empresário de sucesso conforme a Apple crescia, se envolvendo em cada parte da produção dos dispositivos da empresa. "Eu podia desenhar um produto, Jobs podia transformá-lo em produto", afirmou.

Para o engenheiro, o ápice da inventividade de Jobs foi o lançamento do iPod, em 2001, chamado por Woz de "o Apple II de Steve" - uma referência ao microcomputador que criou e um dos produtos responsáveis pelo primeiro "boom" da Apple. Para ele, o iPod foi um dos dispositivos que redefiniu toda a indústria.

Questionado sobre se hoje a Apple teria perdido a capacidade de inovar com produtos disruptivos, Wozniak afirmou que acredita que a empresa não estaria lançando novas categorias de produtos mesmo se Jobs ainda estivesse vivo. Para ele, a inovação tem ciclos e a Apple lançou três grandes novas categorias de produtos nos últimos anos - em referência ao iPod, iPhone e iPad -, algo que "não é fácil" de se criar sempre.

Sobre o mais recente gadget da Apple, o smartwatch Apple Watch, Wozniak disse que ainda não tem opinião formada porque ainda não comprou o dispositivo, mas que provavelmente o fará para "brincar" com ele. Apesar disso, o engenheiro disse que até agora não gostou muito dos smartwatchs que foram lançados no mercado. "Eles mais ficaram no meu caminho do que me ajudaram a fazer algo útil", brincou.

Ainda assim, afirmou que está otimista com tecnologias do futuro como a Internet das Coisas e a computação cognitiva, que devem trazer "surpresas inacreditáveis no futuro próximo" conforme são desenvolvidas.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.