Para Motorola, Samsung perderá relevância e acabará como Nokia e BlackBerry

Por Redação | 09 de Fevereiro de 2015 às 18h38
photo_camera Divulgação

Para o diretor de operações da Motorola, Rick Osterloh, todo mercado é cíclico. Essa lógica vale também para o setor mobile, e ele acredita que sua companhia está em um caminho certo para assumir a liderança, deixando a Samsung para traz e trazendo uma renovação mais do que necessária para o segmento.

Em entrevista à revista Forbes, ele disse que, a cada sete anos, a empresa que está no topo do mercado deixa essa posição. Para ele, essa mudança está acontecendo neste momento com os usuários, principalmente em países emergentes, que começam a entender que não é preciso pagar caro e ter um aparelho de topo de linha para ter uma experiência da melhor qualidade. O executivo afirma que a Motorola está em uma bela condição para assumir a liderança em um futuro próximo.

Para provar seu ponto, ele lembrou também sobre as antigas líderes do setor, Nokia e Blackberry, que hoje estão longe desse patamar e, no caso da segunda, passa ainda por certas dificuldades para se reerguer. Mudanças na tecnologia acontecem o tempo todo e, para os usuários, vale mais aquele dispositivo que consegue entregar o que há de melhor e novo pelo preço mais baixo. É mais um ponto em que a Motorola está pronta para brilhar, segundo Osterloh.

É justamente isso que a Lenovo, sua nova dona, mais quer ver acontecendo. Em seu primeiro trimestre já operando sob o guarda-chuva da companhia, a Motorola registrou a marca de 10 milhões de smartphones vendidos em todo o mundo, um número que representa mais do que o dobro registrado no final de 2013. Os grandes destaques aqui, não foram necessariamente os aparelhos de topo, como o Moto X e sua versão Pro, mas também o Moto G, que caiu no gosto dos países emergentes.

São estes os grandes mercados para a companhia no momento. Seus acionistas esperam ver a Motorola voltando a ter rendimentos positivos até o final do ano que vem e, para isso, confiam principalmente na China e na Índia. Os aparelhos que já fizeram sucesso ao redor do mundo chegaram apenas recentemente por lá, com números que impressionaram a diretoria da companhia e mostraram, pelo menos para Osterloh, que o setor está passando por uma expressiva mudança.

É nessa onda que a Lenovo deseja surfar. Em seus primeiros meses cuidando da Motorola, a companhia expandiu sua participação para 50 mercados globais, uma operação cinco vezes maior que a original, do Google. Em 2015, a ideia é chegar a mais 10 ou 15 territórios, ampliando ainda mais as vendas e o alcance de suas soluções, por preços baixos e compatíveis com a economia de cada região.

Isso sem falar nos novos modelos, com a Motorola já tendo confirmado sucessores para o Moto G e o Moto E, além de um novo modelo de topo de linha com o processador Snapdragon 810, da Qualcomm. Se depender da empolgação da empresa com o próprio futuro e os bons olhos dos acionistas, pelo menos, esse posto de liderança deve mesmo mudar de mãos no futuro próximo.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.