Prestes a deixar cargo de CEO, Otellini relembra 4 décadas que passou na Intel

Por Redação | 17.04.2013 às 14:38

Paul Otellini já está com as malas prontas para deixar a Intel e, a apenas um mês da sua aposentadoria, o CEO refletiu sobre as quatro décadas que passou à frente da companhia.

A saída de Otellini acontece em um período não muito feliz para a Intel, que na última terça-feira (16) anunciou uma queda acentuada nos lucros, graças principalmente ao mercado de PCs que vem sofrendo com a popularidade de tablets e smartphones.

De acordo com o PCWorld, o CEO não se mostrou muito abalado com a situação, e disse que confia que a Intel é capaz de criar oportunidades para si mesma por estar sempre à frente na veloz indústria da tecnologia. Ele disse ainda que a Intel respondeu rapidamente à evolução da indústria de tecnologia, incluindo o crescimento da internet e a mudança para micro-servidores.

A Intel também ganhou a liderança no que diz respeito à ciência dos materiais e avançou em tecnologias de produção, disse Otellini. A empresa foi a primeira a introduzir chips com transistores 3D, usando o processo de fabricação de 22 nanômetros, enquanto, segundo ele, alguns rivais ainda estão tentando se recuperar. O executivo também expressou confiança no mercado de PCs, dizendo que ele deve voltar a crescer no segundo semestre deste ano, impulsionado por seus novos chips Haswell.

A Intel também está direcionando seu foco para produtos móveis e fabricação de tecnologias. "Mesmo que eu me prepare para passar o bastão para uma nova geração, eu sei que a história da Intel não está completamente escrita", disse o executivo.

Otellini ingressou na Intel em 1974 e passou por diversos setores, inclusive assumindo cargos de marketing, até chegar à cadeira de CEO em 2005, substituindo Craig Barrett. Esse foi um momento importante para a empresa, época em que os usuários de PCs migravam de desktops para notebooks e a Intel prosperava.

Quando Otellini entrou para o time de colaboradores da Intel nos anos 70, o microprocessador "mal tinha sido inventado". A Intel era essencialmente uma empresa de memórias, e mais tarde mudou para microprocessadores. A indústria de PCs está novamente em transição, e a Intel está lançando novos processadores, novos designs de notebooks e ferramentas para permitir controles por voz e gestos, em uma tentativa de estimular a inovação e o crescimento.

Em relação ao sucessor do CEO, analistas acreditam que a decisão da Intel a respeito de quem assumirá o cargo está atrasada, mas espera-se que o anúncio seja feito até o dia 16 de maio, quando a empresa realizará uma reunião anual de acionistas.