O desafio da Internet das Coisas

Por Colaborador externo | 12 de Março de 2015 às 08h55

por Douglas Falsarella*

O rápido desenvolvimento da Internet das Coisas ameaça arquitetura para o datacenter. Como você se planeja para essa nova onda de tecnologia?

A ideia fundamental da Internet das Coisas (IoT) tem como base o fato de a conectividade estar crescendo rapidamente - via internet - para uma ampla gama de dispositivos embarcados, sensores e sistemas. IoT abraça comunicação máquina-a-máquina existente e se expande a fim de incluir mais analytics e produtos orientados para o consumidor.

Segundo o IDC (International Data Corporate), até é o final de 2020, haverá cerca de 212 bilhões de “coisas” conectadas à internet: sensores em mercados, eletrodomésticos, carros, instrumentos utilizados na área da saúde, etc. Todos esses novos dispositivos geram mais tráfego para as redes e mais demanda para o processamento dos dados, armazenamento de informações e rede, aumentando, consequentemente, a pressão sobre a infraestrutura dos servidores.

Mais dispositivos, mais desordem

Sistemas, servidores, armazenamento e redes - precisam crescer para apoiar a transição e o crescimento maciço de novos dispositivos.

Do ponto de vista de suporte de TI, o grande número de pequenos pacotes de dados vindos de várias direções poderia causar o caos em redes convencionais. Estes pequenos pacotes de dados são provenientes de vários dispositivos, em última análise, consumindo toda a largura de banda corporativa.

Sem um planejamento adequado, a Internet das coisas poderia sobrecarregar a WAN corporativa, criar gargalos em locais remotos ou hospedados. Os dispositivos da Internet das coisas têm necessidades em tempo quase real e deve absolutamente ser concebido e planejado. A Internet das Coisas irá impor novas exigências em armazenamento. O fato é que essa enorme quantidade de dados precisa ir a algum lugar para ser útil.

Qual estratégia adotar

Especialistas dizem que o crescimento por si só não será suficiente; uma nova arquitetura para Internet das Coisas pode ser necessária.

O resultado da proliferação do IoT poderia ser uma mudança radical na área de TI, de acordo com um relatório recente do Gartner, "O Impacto da Internet das Coisas em Datacenters." Devido ao enorme volume de dados que IoT irá produzir, a tendência recente de aplicações centralizadoras para reduzir custos e aumentar a segurança pode tornar-se insustentável.

Em vez disso, as organizações devem agregar dados em "múltiplos centros de dados menores, distribuídos", como explicado no relatório Gartner, onde pelo menos inicialmente ocorre processamento local e depois o volume de dados é transferido para as instalações centrais para processamento posterior.

Estrategicamente, a escala e a natureza de problemas causados pelas tecnologias da Internet das Coisas em arquiteturas tradicionais variam muito, dependendo da indústria e da natureza específica de uma aplicação, necessitando de diferentes abordagens. Por outro lado, um problema de escala em termos de aplicações da Internet das coisas, onde os níveis muito elevados de volume de dados não correspondem ao valor potencial da informação.

Planejamento e Engenharia para arquitetura IoT pode ajudar. Por exemplo, os dispositivos da Internet das coisas devem operar em redes não dedicadas, apoiando as redes preexistentes, por isso devem ser projetadas para tratar as suas redes de apoio como melhor esforço. Estas redes devem ser capazes de amortecer os dados non deliverable em até uma hora, e tem de ter repetição flexível ou ser capaz de descobrir os canais de distribuição de dados alternados, ou com menor tráfego.

Segmentos de rede típicos não são projetados para conectar um grande número de dispositivos, o que irá causar problemas de contenção com redes de canal compartilhado, como redes sem fio ou redes comutadas como Ethernet típico. Então, você deve se perguntar: "O que aconteceria se eu precisar adicionar 300 estações permanentes, com baixa largura de banda para a minha LAN sem fio?".

As empresas devem incrementar sua capacidade de lidar com grandes volumes de dados. Há empresas de software que já que lidam com o processamento em tempo real do IOT com dados conjuntos, de modo que você deseja obter o software certo no lugar certo. Então, não se esqueça de olhar para a sua infraestrutura de servidor e em potenciais lacunas entre servidores e infraestrutura de armazenamento.

O futuro da Internet das coisas provavelmente envolve uma arquitetura que empurra a camada de aplicação para o roteador e integra a rede com a inteligência lógica. Desta forma, a rede não tem de arcar com toda a carga, caso contrário, simplesmente não há maneira de adicionar largura de banda suficiente.

*Douglas Falsarella é gerente de redes da Broadtec.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.