Nova sede da Apple em formato de nave espacial começa a ganhar forma. Veja fotos

Por Redação | 02.05.2014 às 10:45 - atualizado em 05.05.2014 às 09:42

Não é novidade para ninguém que a Apple é uma das maiores empresas do mundo. E não medindo investimentos para ampliar seus negócios, a companhia deu início a construção de sua nova sede na cidade de Cupertino, na Califórnia (Estados Unidos). As primeiras maquetes divulgadas por engenheiros e arquitetos mostraram que o novo edifício será um dos maiores da região, mas agora é possível ver a grandiosidade do local graças a uma imagem aérea publicada por um repórter da KCBS.

"A nave espacial! #AppleNovoQuartelGeneral começando a ganhar forma", escreveu o jornalista Ron Cervi, de San Francisco, em sua conta pessoal no Twitter. A foto indica que o ritmo das construções avançam bem, principalmente se levar em consideração que até o começo de março a área de quase 260 mil metros quadrados abrigava várias torres da HP. O terreno foi adquirido pela Maçã em 2010.

Aqui algumas imagens do local captadas pelo site Apple Toolbox no início do mês de março:

Apple Campus 2
Apple Campus 2

E aqui a foto divulgada pelo repórter Ron Cervi:

O Apple Campus 2 é um dos últimos projetos de Steve Jobs, que ele mesmo apelidou de "nave espacial" por conta de seu formato circular e futurista. A expressão foi usada por Jobs durante uma reunião com o conselho municipal da cidade de Cupertino, em junho de 2011, que detalhou os impactos positivos - e, acima de tudo, funcionais - que um edifício gigantesco causaria no município. A permissão para o início das obras só veio no final do ano passado.

O prédio não é apenas um dos projetos mais ambiciosos da história, mas também um dos mais caros. O complexo está avaliado em R$ 11,6 bilhões, três vezes mais que o Burj Kalifa, atualmente o prédio mais alto do mundo, localizado em Dubai, e mais caro que todos os estádios da Copa do Mundo 2014 somados, que custarão R$ 8 bilhões. Isso sem contar outros R$ 140,1 milhões, que serão investidos em melhorias locais para estradas, cruzamentos, paisagismo, serviços públicos, ciclovias, calçadas e parques. Há ainda outros R$ 74,6 milhões que serão aplicados em um "programa de gestão de transportes", que visa incentivar os funcionários a dar carona, ir trabalhar de bicicleta ou usar o transporte público.

De acordo com uma reportagem da revista Superinteressante, a construção é conduzida pelo Foster + Partners, escritório do arquiteto britânico Norman Foster. Ele é o responsável por projetar obras como o estádio de Wembley, em Londres, a Hearst Tower, em Nova York e o aeroporto de Hong Kong, na China. Quando Jobs ainda era vivo, uma equipe de 50 arquitetos se reunia com ele a cada três semanas para saber quais eram suas ideias e como colocá-las no prédio. Jobs queria que o edifício parecesse uma só peça, sem emendas presentes em obras tradicionais. O resultado será uma imensa camada de vidro produzida pela fábrica alemã Seele, que construiu o cubo de vidro que envolve a Apple Store de Nova York.

Quase toda a parte externa do Campus 2 (80%) será coberta por vários tipos de vegetação, totalizando 7.000 árvores entre carvalho, oliveiras e pés de ameixas, cerejas, caquis, maçãs, damascos e outras árvores frutíferas. Haverá ainda uma área onde serão plantadas ervas que poderão ser colhidas para fazer chás. O projeto busca tanta sustentabilidade que criou uma forma interessante de lidar com as plantas que já estavam presente no local: durante as obras, cerca de mil das mais de 4.500 árvores que estão no terreno serão extraídas, platandas em outros lugares e realocadas para o local original quando o edifício estiver pronto.

Falando em sustentabilidade, o prédio foi projetado justamente para ser menos agressivo ao meio ambiente. Quase 80% do lixo será reciclado e o complexo tentará depender o mínimo possível de eletricidade externa. Para isso, todo o telhado do disco principal será coberto por 65 mil metros quadrados de células fotovoltaicas, que transformam a energia solar em até 8 megawatts de eletricidade. A empresa também fará uso da energia eólica, já que a região do sul da Baía de São Francisco possui bastante ventania. Uma cópia completa do relatório de impacto ambiental do Campus 2 está disponível para análise.

Na parte interna, a nave espacial terá quatro andares, capacidade para até 14 mil pessoas e refeitório com 2.750 lugares - incluindo uma área externa com 1.750 bancos para aqueles que preferem fazer refeições ao ar livre. Do lado de fora, os funcionários terão acesso a um estacionamento com 10.500 vagas, mas a empresa espera que pelo menos 4.000 empregado se locomovam a pé, de bicicleta ou transporte público. E para não piorar o trânsito, que consequentemente deve ficar mais complicado quando o prédio for erguido, turistas e curiosos não poderão entrar no Campus 2, apenas funcionários da Apple.

A expectativa é que o edifício fique pronto até meados de 2017. Recentemente, a companhia divulgou um vídeo que mostra o andamento das obras e conta com depoimentos de designers e profissionais que trabalham na corporação. Assista: