Nokia planeja entrar no nicho de smartphones corporativos

Por Redação | 12.08.2013 às 14:06
photo_camera Ubergizmo

Quando se trata de dispositivos móveis corporativos, a BlackBerry costumava liderar isolada esse mercado oferecendo soluções para que os administradores de sistemas conseguissem ter um controle maior sobre os aparelhos usados pelos funcionários nas redes das empresas. No entanto, com os concorrentes da BlackBerry disponibilizando aparelhos com melhores soluções de hardware e software, a fabricante teve sua importância reduzida no mercado empresarial.

E, vem mais chumbo grosso por aí. Segundo Adrian Williams, diretor de vendas empresariais da Nokia no Reino Unido, a empresa finlandesa planeja entrar com tudo no setor empresarial e destronar a BlackBerry. Williams também revelou que a Nokia fechou importantes acordos empresariais nas últimas semanas.

"São contratos muito mais significativos em termos de tamanho. Estamos realmente ganhando força no mercado B2B agora. Leva tempo para que esses acordos comecem a funcionar através do ciclo de produtos, mas agora nós estamos vendo os frutos desse trabalho e estamos sendo cada vez mais reconhecidos como uma alternativa viável no mercado. Não é um negócio que não usa a Microsoft de uma forma ou de outra. Nós oferecemos uma solução muito atraente, e sem custo mensal", afirmou Williams em entrevista ao Mobile Today.

O executivo citou como exemplo do aumento da credibilidade da Nokia o acordo com a Britvic. "Conseguimos a posição devido ao aumento da insatisfação da empresa e de seus usuários com a experiência que eles estavam tendo e porque a plataforma Lumia oferece muito mais capacidade do que eles tinham com a plataforma existente. A simplicidade da integração foi outro fator determinante, sem a necessidade de qualquer outra coisa que se posicione entre os dispositivos", explicou.

A Nokia também sentiu de perto a concorrência do Android no negócio com a Britvic. "A Britvic testou o Android e nós nos saímos melhor. O nosso sistema é mais adequado para o negócio do que qualquer outra plataforma. Não é apenas sobre ter o Microsoft Office, mas é sobre ter uma boa gama de aparelhos também. Um tamanho não serve para todos", disse Adrian Williams.