Microsoft planeja liderança na produtividade usando inteligência mobile

Por Redação | 10 de Novembro de 2014 às 19h24
photo_camera Divulgação

Em um evento recente realizado em Redmond, executivos da Microsoft explicaram como enxergam o futuro da produtividade para a empresa. Para o CEO, Satya Nadella, a produtividade é, junto com plataformas de trabalhos, dois dos principais esforços da companhia no momento. As informações são do TechCrunch.

Para Nadella, a produtividade não se limita ao uso do Office, por exemplo, mas deve ser vista em um sentido mais amplo. Além de destacar a sensibilidade para o desenvolvimento de plataformas em todos as empreitadas, ele acredita que produtividade é sobre “a capacitação que eu recebo para usar essa tecnologia para fazer outras coisas”, afirma.

A ideia do "fazer outras coisas" está em alta na Microsoft, e é seguindo esse mesmo objetivo que foi desenvolvido o Surface Pro 3. O tablet foi lançado com a promessa de que permitirá que o usuário "faça outras coisas", estendendo o slogan a diferentes linhas da empresa. Dessa forma, a produtividade que permite que ao usuário ir além das utilidades básicas de um serviço e faça mais está no centro das decisões tomadas pela Microsoft, algo que, para Nadella, tem tudo a ver com a evolução da empresa.

Podemos pensar no início do uso de smartphones no trabalho, que há alguns anos não era disseminado nas empresas. Hoje, esses aparelhos são essenciais em diferentes profissões - um movimento que ocorreu em um momento próximo para todos. Isso mostra que uma inovação pode afetar todo o mercado, com um uso semelhante de softwares e serviços em diferentes setores.

A Microsoft domina uma parcela expressiva desse mercado corporativo há décadas graças aos aplicativos do Office, sendo a responsável por boa parte da produtividade de empresas. No entanto, por mais que o Office ainda seja um produto essencial ao mercado, novidades como edição colaborativa de documentos na nuvem e aplicativos que permitem realizar o trabalho diretamente do celular fazem com que a companhia tenha uma necessidade de reinventar seu produto mais básico com a prerrogativa da produtividade, a qual o próprio Office reinventou quando surgiu.

Sendo o Office uma fonte de lucro expressiva da Microsoft, a empresa busca uma forma de não perder essa participação essencial no mercado, integrando os aplicativos do programa com um serviço na nuvem. O resultado dessa tentativa é o Office 365, que apresenta um crescimento rápido e está agradando com um bom desempenho nos relatórios de lucro, no entanto, não se pode afirmar que o trabalho foi concluído com o Office 365.

Com isso, a Microsoft já entendeu que o modelo de trabalho baseado em Word, Excel e PowerPoint não será eterno, mas sim substituído por ferramentas mais ágeis e com suporte na nuvem caso os aplicativos da linha Office não consigam acompanhar as novas demandas de agilidade do mercado.

Perspectivas para o futuro

Com um uso mais difundido em desktops, os aplicativos tradicionais do Office não serão suficientes para que a Microsoft tenha a participação desejada no futuro da produtividade. Mas a empresa não está parada, uma vez que dois novos serviços reforçam a nova visão da empresa. São eles o Sway e a Cortana.

O Sway é um serviço hospedado na nuvem, que permite trabalhar com texto e imagem (algo entre Word e PowerPoint), mas com mudanças fundamentais, como gerar uma URL e não uma extensão como .docx. Dessa forma, o Sway pode ser incorporado em um site, que por sua vez pode ser compartilhado, sendo possível construir balanços diretamente do navegador. A empresa também já trabalha em um aplicativo móvel para o serviço.

Segundo Kirk Koenigsbauer, vice-presidente corporativo da Microsoft, o Sway "é um produto que é inerentemente colaborativo e social, no sentido de que você pode incluir mídia como parte dos balanços que está criando, e social no sentido de que várias pessoas podem colaborar em tempo real em uma única Sway".

Já a Cortana não é algo que se limita aos usuários do Windows Phone. O sistema pretende ser uma ferramenta de comunicação e inteligência usada em todas as plataformas da Microsoft. Com a intenção que o Cortana seja uma linha de comando para tarefas do dia a dia, ele se encaixa na intenção de Nadella sobre um serviço voltado para produtividade. Além disso, a Microsoft ainda espera usar aprendizagem de máquina, baseada no software Azure, para melhorar todos esses serviços.

Neste cenário de inovação da Microsoft, a área mobile é fundamental por ser o setor que mais cresce atualmente. Cortana e Sway seguem essa linha: a primeira nasceu na plataforma móvel da empresa, enquanto o segundo já está sendo desenvolvido para celulares, com grandes chances de se tornar mais forte no móvel do que no desktop. A tendência do mobile pode ainda ser estendida ao Office, já que o Windows Phone atua com esses serviços.

Com o Office 365 a Microsoft está levando o Office tradicional para a nuvem e potencializando suas ferramentas de produtividade. É possível que nos próximos anos a empresa se foque ainda mais em construir novas aplicações e reinventar seus serviços tradicionais para que eles sejam usuais em todas as plataformas, utilizando tanto do aprimoramento como de substituições.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.