Microsoft já teria perdido mais de US$1,7 bilhão com o Surface, diz especialista

Por Sérgio Oliveira | 07 de Agosto de 2014 às 11h30
photo_camera Reprodução

A Microsoft vem se esforçando muito para emplacar os tablets da linha Surface no mercado. Recentemente, a companhia anunciou a terceira geração do tablet que chama bastante atenção pelo seu poder de processamento e tem o pretensioso objetivo de assumir o lugar dos computadores e notebooks. Tanto esforço, no entanto, parece que vem gerando uma dívida acima do previsto por Redmond.

De acordo com o último relatório financeiro divulgado pela Microsoft, ao todo o segmento de tablets já abriu um rombo de US$ 1,7 bilhão nas contas da empresa desde que o primeiro Surface foi lançado em 2012. O relatório fecha o ano fiscal de 2014 da empresa, mas não especifica o montante arrecadado a partir das vendas dos aparelhos do tipo, nem de quanto foi o lucro com eles. Contudo, analisando um relatório divulgado na última sexta-feira (01) e complementando as informações dele com as dos últimos resultados financeiros, é possível ter uma noção de quanto o segmento tem custado à Microsoft.

A análise foi feita por Gregg Keizer nesta segunda-feira (04) e, de acordo com o especialista, somente no último trimestre a Microsoft perdeu US$ 363 milhões com o Surface. O valor assusta e é a maior perda da Microsoft no segmento desde que o Surface começou a ser fabricado e a empresa passou a relatar suas finanças trimestralmente.

Apesar do déficit, a empresa se justificou em um outro relatório divulgado no fim de julho dando a entender que as contas estão no vermelho devido aos custos de produção e design de uma quantidade desconhecida de Surface Minis que não foram postos a venda. "A receita deste ano inclui alguns ajustes no inventário do Surface que incluem a transição para uma nova geração e a decisão de não despachar alguns itens para os distribuidores", afirmou a companhia.

Há muito tempo especula-se que a Microsoft lançará uma versão reduzida do Surface de terceira geração. Inicialmente os rumores indicavam que o aparelho apareceria ao lado do Surface Pro 3 na apresentação que ocorreu em maio, mas ele não estava presente no evento. De lá para cá vários outros boatos surgiram, mas nenhum deles conseguiu acertar quais são os planos de Redmond para o gadget e outros até indicam que ele não será mais produzido.

Embora muitos indiquem que a justificativa para parar a produção e cancelar as vendas da versão menor do gadget é a falta de mercado para ela, a verdade é que nem o Surface Pro 3 anda tão bem assim. De acordo com Jan Dawson, analista-chefe da Jackdaw Research, os custos com a produção do tablet de nova geração estão acima do esperado pela Microsoft e isso estaria a levando a produzir quantidades limitadas dele.

Levando isso em consideração, Dawson afirma que somente no ano fiscal de 2014 (que foi de julho de 2013 a junho de 2014 na Microsoft) a empresa perdeu mais de US$ 676 milhões com o negócio. O montante é enorme, mas ainda é inferior ao perdido nos anos fiscais anteriores. Em 2013, por exemplo, a Microsoft registrou um prejuízo de pouco mais de US$ 1 bilhão devido ao déficit de vendas do Surface. Se fizermos as contas dos últimos dois anos fiscais, podemos concluir que ao todo o negócio já sangrou aproximadamente US$ 1,7 bilhão.

Embora a arrecadação da Microsoft com o Surface seja vista como positiva, os custos de produção e distribuição do gadget estão ultrapassando o teto há dois anos e isso têm feito o segmento operar no vermelho desde o lançamento do projeto em 2012

Embora a arrecadação da Microsoft com o Surface seja vista como positiva, os custos de produção e distribuição do gadget estão ultrapassando o teto há dois anos e isso tem feito o segmento operar no vermelho desde o lançamento do projeto em 2012 (Gráfico: Reprodução/SEC Fillings)

"Essas perdas consecutivas colocam o Surface em xeque, portanto a expectativa é que o tablet tenha um desempenho melhor nos próximos dois trimestres para justificar sua existência", declarou Dawson numa análise publicada na semana passada. Para o analista, se os números não se aquecerem nos próximos meses, o mais coerente é que a Microsoft decida por deixar de produzir o Surface, principalmente agora que está sob o comando de Satya Nadella.

"Acredito que Nadella é menos disposto a aceitar perdas do que Steve Ballmer era", disse Dawson se referindo ao antigo presidente executivo da Microsoft. "Ballmer sempre esteve disposto a arriscar e tomar decisões que envolvessem grandes perdas de dinheiro", disse Dawson se referindo aos negócios do Surface e à aquisição da Nokia. O ponto de vista do especialista se mostra coerente principalmente quando analisamos o discurso de Nadella proferido na última quinzena de julho.

"De vez em quando nós desenvolveremos novas categorias de produtos, assim como fizemos com o Surface, e com bastante responsabilidade construiremos mercado para o Windows Phone. Contudo, nosso portfólio de dispositivos próprios sempre estará alinhado com nossa estratégia", disse o executivo, que assumiu a cadeira de CEO da companhia em fevereiro.

Portanto, ao que tudo indica, o barco do Surface realmente está afundando e o capitão Nadella pode optar por deixá-lo atingir o fundo do mar caso o dispositivo não mostre para o que realmente veio. É claro, no entanto, que o sucesso ou fracasso do projeto dependerá muito da abordagem que Redmond adotará daqui para frente. Então, agora mais do que nunca, tudo se resume a uma questão de tempo para vermos como a situação se desenrola.

Instagram do Canaltech

Acompanhe nossos bastidores e fique por dentro das novidades que estão por vir no CT.