Mercado de PCs deve apresentar queda pelo terceiro ano consecutivo em 2013

Por Redação | 05.03.2013 às 17:20

Parece que os esforços intensos para superar a inércia do mercado não estão dando certo, já que 2012 terminou com uma queda de 3,7% no volume de vendas globais de PCs. E, para piorar, acredita-se que as vendas devam diminuir 1,3% em 2013.

No quarto trimestre do último ano, foi registrado um declínio de 8,3% nas vendas globais de computadores em relação ao mesmo período do ano anterior. Segundo dados divulgados pela International Data Corporation (IDC), a decepcionante recepção do Windows 8 por parte dos consumidores foi um dos motivos que ajudaram a acentuar a queda, assim como a economia instável dos Estados Unidos e da Europa.

Além disso, o potencial de crescimento dos mercados emergentes está em declínio e se aproximando do das regiões mais estabelecidas. Em 2012, houve uma diminuição no volume de vendas em mercados emergentes, mas espera-se que em 2013 elas voltem a crescer 1%.

De acordo com os dados do relatório da IDC, a previsão é que as vendas para os mercados emergentes em 2013 cheguem a 91,6 milhões de desktops, 115,5 milhões de notebooks e 207,1 milhões de tablets. Já as economias mais maduras devem sofrer queda no volume de vendas pelo terceiro ano consecutivo em 2013.

Leia também: Venda de PCs é um fracasso; consumidores querem tablets e smartphones

A indústria de PCs tinha depositado suas esperanças no Windows 8 e em uma oferta mais variada e mais barata de notebooks ultrafinos para aumentar sua demanda, mas até agora os esforços se mostraram decepcionantes. A falta de componentes touchscreen tem contribuído para uma oferta limitada de modelos com esta tecnologia para Windows 8. Isso está fora de sintonia com a proposta de toque do novo sistema operacional, que parece relativamente caro em comparação a outras opções.

"O mercado de PCs ainda está procurando por modelos atualizados para ganhar força e demonstrar apelo suficiente para impulsionar o crescimento em um mercado muito competitivo", disse Loren Loverde, executivo da IDC.