Mark Zuckerberg: 'Realidade virtual é o próximo passo no futuro da computação'

Por Redação | 25 de Julho de 2014 às 11h10
Divulgação

A segunda versão do Oculus Rift para desenvolvedores já começou a ser enviada para um grupo relativamente pequeno de compradores - cerca de 10 mil unidades do dispositivo chegarão para esses profissionais, usuários e produtores de software. Embora um modelo comercial do aparelho só tenha previsão de chegar às lojas no ano que vem, fato é que o Facebook está investindo pesado na tecnologia presente no headset.

Desde que comprou a Oculus VR (dona do Rift) em março por US$ 2 bilhões, o dono da rede social, Mark Zuckerberg, tem dito em entrevistas que aposta na realidade virtual como o próximo passo da computação e da informática. E nesta quarta-feira (23), durante uma conferência para investidores, o jovem executivo reiterou sua visão de um futuro ambicioso e promissor para esse tipo de tecnologia. Além disso, Zuckerberg explicou que não é de agora o interesse de sua empresa em se aprofundar nesse mercado, em especial para aumentar a participação do Facebook no maior número de dispositivos possíveis.

"Nós somos uma companhia que quase sempre esteve presente nas diferentes fundações móveis que outras pessoas construíram", disse o CEO, se referindo a todos os outros serviços nos quais o Facebook está integrado. "Uma das coisas que eu realmente me importo e que diz respeito aos 10 anos de história da empresa é ter uma relação diferente sobre o que são as novas plataformas de computação. Nós podemos ajudar a definir o que a próxima geração de computação será", completou, como informa o site Gamasutra.

Assista Agora: Gestor, descubra os 5 problemas que suas concorrentes certamente terão em 2019. Comece 2019 em uma nova realidade.

Zuckerberg também declarou aos investidores que continuará investindo cada vez mais em novos campos da indústria, entre eles o da realidade aumentada, tecnologias de visão, inteligência artificial e outras prioridades cujo foco estará na Oculus VR. De acordo com Zuckerberg, a expectativa é que os próximos projetos tenham duração inicial entre cinco e dez anos. "Nossos investimentos vão aumentar. Existem grandes oportunidades de construir a nova geração de plataformas de computação".

Na época em que adquiriu a Oculus VR, Zuckerberg já havia dito que a tecnologia desenvolvida pela empresa "abre possibilidades totalmente novas". A Oculus ficou conhecida em 2012 por apresentar o primeiro protótipo de óculos de realidade virtual que funciona de forma simples, prática e agradável ao consumidor. O foco da corporação sempre foi os games para computador, mas o CEO do Facebook enxerga novas oportunidades para explorar todo o potencial e vantagens do Oculus Rift.

Recentemente, Brendan Iribe, CEO da Oculus VR, disse que, apesar de Mark Zuckerberg não acompanhar diretamente o desenvolvimento do Oculus Rift - agora que o acessório faz parte do Facebook -, a decisão do dono da rede social será decisiva na hora de definir um dos fatores mais importantes do headset: seu preço. "Mark quer vender o Rift pelo menor valor possível", declarou Iribe. Ele também afirmou que Zuckerberg pretende ignorar, pelo menos em um primeiro momento, as margens de lucro para oferecer a tecnologia de realidade virtual dos óculos por um preço acessível a todos os consumidores.

Leia também:

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.