MWC 2015: Intel apresenta novos chips para tablets e smartphones

Por Redação | 02.03.2015 às 14:57 - atualizado em 02.03.2015 às 15:42
photo_camera Divulgação

Como era de se esperar, o Mobile World Congress (MWC), maior feira de mobile do mundo, que acontece anualmente em Barcelona, Espanha, começou bastante agitada. Neste primeiro dia do evento, a Intel apresentou uma série de novidades em sua conferência, com destaque para a nova linha de chips para smartphones.

Ao que tudo indica, a empresa ainda não chegou a um patamar capaz de bater de frente com a Qualcomm, grande nome quando o assunto é a fabricação de processadores para aparelhos portáteis. Contudo, os três dispositivos anunciados nesta segunda-feira (2) podem encurtar a distância entre as concorrentes. Com informações do PC World.

Novos chips para portáteis

Os três modelos anunciados hoje pela Intel são o SoFIA Atom X3 e os Cherry Trail Atom X5 e Atom X7, sendo o primeiro a grande aposta da empresa para os smartphones — pois conta com suporte para redes 3G — e os dois últimos aparecendo como alternativas para tablets — sem suporte para redes de telefonia.

Tratando do mercado de smartphones, a própria Intel reconhece que a distância entre ela e a Qualcomm é grande, mas pode ser reduzida com o novo Atom X3.

“Eles ainda estão ditando o ritmo, [mas] estou feliz de que não estão mais anos à nossa frente, e agora estamos falando de meses”, brinca Aicha Evans, vice-presidente e diretora do grupo de engenharia de plataforma da Intel.

Atom X3: encurtando a distância com a concorrência

Apesar de não emitir qualquer palavra sobre o consumo de energia do Atom X3 (codinome SoFIA), algo que sempre levanta uma série de questões e atrai bastante interesse de analistas e consumidores, a Intel apontou alguns de seus objetivos com o novo processador para smartphones.

A ideia básica é atingir mercados emergentes com o chip presente em aparelhos de entrada que não custem mais do que US$ 75 (cerca de R$ 215) aos consumidores. Como serão três modelos diferentes do Atom X3, as versões aprimoradas do processador devem aparecer também em aparelhos mais caros, custando a partir de US$ 200 (algo em torno de R$ 570).

As primeiras empresas a abraçar a ideia da Intel também foram divulgadas pela companhia durante a sua conferência, e são elas: Asus, ECS, Pegatron, Compal e Wistron. Tirando a Asus, as demais são fabricantes de aparelhos para outras companhias.

Tecnologia de rival

Um dos pontos curiosos da nova linha Atom X3 é a tecnologia gráfica Mali utilizada nos dispositivos. Ela foi desenvolvida pela ARM, outra fabricante de chips para portáteis que costumava rivalizar com a Intel no mercado de processadores para PCs, mas que mudou para o segmento de portáteis após perder a disputa para a rival.

Conforme o Tech Reporter, isso foi possível devido à aquisição da Infineon Wireless, em 2011, pela Intel. Apesar de ser antiga, Evans acredita que a Mali é capaz de oferecer recursos suficientes para smartphones de baixo custo, o grande foco do Atom X3.

Três modelos

Ao todo, três variações dos chips Atom X3 serão distribuídas no mercado, revelou Evans durante a conferência da Intel. O primeiro e mais básico deles (X3-C3130), com suporte para redes 3G, já está em processo de distribuição. O segundo modelo (3G-R ou X3-C3230RK) é um pouco melhor do que o primeiro, será fabricado pela Rockchip, uma parceira da Intel, e chega às fabricantes ainda no primeiro semestre.

O terceiro e mais poderoso é aquele que pode encurtar a distância entre Intel e Qualcomm no mercado de processadores para smartphones: o X3-C3440 vem com suporte a redes LTE (como o 4G) e tem lançamento programado para o segundo semestre de 2015. Enquanto os dois primeiros suportam apenas aparelhos com Android, este último vai trabalhar tanto com o sistema do Google quanto com o Windows Phone 10.

Intel Atom X3

A Intel revelou ainda que não quer repetir no mercado de smartphones a mesma estratégia utilizada para entrar no mercado de tablets, conquistada por meio de pagamentos realizados às fabricantes para que utilizassem chips da empresa. No MWC, Evans assumiu a prática e garantiu ser um movimento calculado para entrar na disputa, mas que, agora, a ideia é alcançar conquistas orgânicas.

Desempenho

Não basta anunciar que um produto pode chegar perto ou superar o desempenho de outro, é preciso comprovar tal capacidade — e a Intel apresentou alguns números nesse sentido. De acordo com a apresentação feita pelo executivo da companhia, o Atom X3 3G pode ser 50% mais rápido do que o chip MSM8212 da Qualcomm (em teste realizado com o MobileXPRT). O modelo 3G-R pode ser ainda melhor: 80% mais veloz do que o concorrente.

Atom X5 e Atom X7: a aposta para os tablets

Mais uma vez a Intel tergiversou quando questionada em relação ao consumo de energia de seus novos chips para tablets, alegando que, assim como com o Atom X3, o desempenho importava mais do que o gasto de bateria. De qualquer forma, os dados apresentados pela companhia podem ser animadores.

Durante a apresentação, o diretor da divisão de tablets e dispositivos 2-em-1 da Intel Johs Newman revelou que a linha Cherry Trail pode apresentar “aprimoramentos significantes em gráficos em relação à geração anterior”. O consumo de energia, porém, parece não ter sofrido grande evolução e deve permanecer na mesma faixa da família predecessora, a Bay Trail. O tamanho do dispositivo, entretanto, sofreu redução: de 22 nanômetros para 14 nanômetros.