LinkedIn compra a caça-talentos digital Bright

Por Redação | 07.02.2014 às 16:35

O LinkedIn acaba de anunciar a compra da Bright. A startup desenvolveu uma tecnologia de busca avançada para ligar profissionais a vagas disponíveis no mercado, cruzando dados de experiências dos candidatos com as necessidades de cada empresa.

O sistema, lançado há três anos, é construído em torno de um sistema de pontuação, que ajuda a mostrar rapidamente o quanto aquele candidato está apto para ocupar determinada vaga. A compra da empresa deve levar as ferramentas do Bright para dentro do LinkedIn, para que a rede fique ainda mais completa e útil no dia a dia dos empresários e analistas de RH.

A aquisição, feita nos Estados Unidos, custou ao LinkedIn US$ 120 milhões, composta em ações (73%) e compra direta (27%). Este é considerado como o maior investimento da história do LinkedIn.

A transação deve ser concluída até o final de março e o LinkedIn já informou que uma enorme equipe da Bright será reaproveitada na aquisição, incluindo equipes completas de engenharia e desenvolvimento de produtos, porém, ainda não se sabe se o CEO da empresa, Steve Goodman, irá se juntar à equipe do LinkedIn.

De acordo com o próprio Bright, atualmente existem mais de 2,5 milhões de empregos indexados no sistema e as vagas são pesquisadas por mais de 7 milhões de usuários mensalmente. O LinkedIn informou que os usuários do Bright poderão fazer uso da rede até o dia 28 de fevereiro, quando o sistema será desativado permanentemente.

Mudanças no LinkedIn

Atualmente, o LinkedIn já analisa os dados dos perfis e retorna aos usuários informando o quanto eles estão aptos a uma vaga, além de já sugerir vagas que sejam do interesse daquele individuo, com base em seu currículo e vagas às quais ele já se candidatou.

O diferencial do Bright, que deverá ser implementado em breve no LinkedIn, está na possibilidade de que o empregador visualize instantaneamente o quanto um candidato é adequado ou não para a vaga. Assim, é possível eliminar candidatos em segundos, sem que o empregador perca tempo analisando cada currículo separadamente.

Em comunicado à imprensa, Eduardo Vivas, fundador da Bright, diz acreditar que a compra levará ao LinkedIn “a capacidade de aplicar essa tecnologia em toda a economia”.

A compra também representa a volta do LinkedIn às suas raízes: o projeto pode fazer a rede voltar-se novamente ao seu objetivo principal, que seria o de conectar candidatos a empregadores. Recentemente, o portal estava tentando levar o público ao seu domínio para o consumo de conteúdo relacionado ao mercado.