Lenovo ganha espaço no mercado brasileiro de smartphones

Por Redação | 28 de Novembro de 2014 às 16h41
TUDO SOBRE

Lenovo

A empresa chinesa Lenovo está ganhando força no mercado de smartphones brasileiro. Após a compra da Motorola, a fabricante tem se firmado em território nacional, abrindo espaço para que outras empresas chinesas do setor possam desembarcar por aqui. Tal estratégia das empresas é investir em mercados emergentes como o Brasil, Índia e Indonésia para compensar a desaceleração existente nos mercados mais fortes, o norte-americano e o europeu. As informações são da Exame.

No final do mês de outubro, a Lenovo concluiu a compra da Motorola, que pertencia ao Google. Com isso, a Lenovo aumentou sua participação nos mercados emergentes, em especial no Brasil, onde a marca Motorola é muito bem aceita, segundo afirmou Reinaldo Sakis, analista da consultoria IDC.

Devido à expansão da Lenovo no mercado brasileiro e do sucesso de vendas que os aparelhos da Motorola estão obtendo recentemente no Brasil, é bem provável que outras fabricantes chinesas tragam lançamentos para o país no próximo ano. "Os lançamentos devem vir no início do ano. Há varejistas comentando que já compraram (smartphones) das chinesas", declarou Sakis.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A desaceleração dos mercados norte-americano e europeu também contribui para que as fabricantes chinesas procurem países emergentes, onde o crescimento é maior.

A Lenovo, que antes era conhecida por ter força em PCs e tablets no Brasil, passou a obter uma fatia de 7% do mercado nacional de smartphones, herdada da Motorola, segundo o que informa os dados de terceiro trimestre do Gartner. Segundo o diretor executivo de marketing para América Latina da empresa, Humberto de Biasi, a Lenovo está no início de sua trajetória de crescimento no Brasil.

"A Lenovo decidiu não iniciar a venda de celulares no Brasil. Os resultados recentes mostram que a Motorola pode ser motor de crescimento significativo para a Lenovo, tanto em produtos como em resultados", afirmou Biasi.

No início deste ano, a chinesa anunciou a compra da divisão móvel da Motorola do Google por US$ 2,91 bilhões, tornando o maior investimento no setor de tecnologia de uma empresa chinesa. A Lenovo também atua no Brasil com a marca CCE, em smartphones de entrada, mais baratos.

Segundo Biasi, a participação da Lenovo no país vem crescendo de maneira robusta, mas, na opinião do diretor, não é com a CCE que a empresa conseguirá tal crescimento, mas sim com a Motorola. "O Brasil é sem dúvida um dos mercados prioritários", conclui.

O avanço das companhias chinesas no mercado latinoamericano de smartphones também é apontado por Tuong Nguyen, analista do Gartner. De acordo com ele, a Lenovo ainda é nova no mercado. "A fatia da Motorola tem se reduzido nos últimos anos. Quando foi comprada pelo Google, começou a se voltar para smartphones, e isso fez com que ficasse ainda mais difícil para ela na América Latina e no Brasil, porque inicialmente esses produtos eram caros", afirmou o analista.

Com a introdução da linha Motorola Moto G no mercado brasileiro, a empresa conseguiu ganhar um número de mercado considerável. Se a Lenovo conseguir oferecer smartphones mais baratos por meio da Motorola para competir com outras fabricantes, haverá mais oportunidades para ampliar a fatia de mercado da empresa no Brasil, segundo Nguyen.

A Lenovo deverá enfrentar forte concorrência chinesa no próximo ano. Além de rumores sobre a chegada da Oppo Electronics, a terceira maior fabricante de smartphones do mundo, a Xiaomi, também está de olho no mercado brasileiro. A empresa já possui um escritório em São Paulo, mas até o momento não teve nenhum modelo homologado pela Anatel.

De acordo com Sakis, do IDC, a provável demora da chegada da Xiaomi no Brasil "é o fato de que precisam fechar parcerias com varejistas para entrar no país". Vale lembrar que o varejo já ultrapassou as operadoras de telefonia como principal canal de venda de smartphones no Brasil.

Segundo dados do terceiro trimestre divulgados pelo Gartner, a Samsung tem cerca de 42,3% do mercado brasileiro, seguida por 22,1% da LG, 7% da Nokia e 4,9% da Apple. Entre as companhias chinesas que já atuam no mercado brasileiro, a Huawei conta com 3,6%, e a ZTE e a Alcatel com 0,8%.

Já em relação ao mercado global de smartphones, de acordo com dados do IDC, no terceiro trimestre, a Samsung lidera com 23,8%, seguida pela Apple, com 12%. A chinesa Xiaomi aparece em terceiro, com 5,3%, enquanto a Lenovo está bem próxima, com 5,2% de participação.

Segundo Nguyen, "as chinesas estão ganhando mercado no mundo. A razão disso é que na América Latina, em países como Brasil e México, muitos consumidores estão migrando para smartphones. E as marcas chinesas são mais baratas". Ainda segundo o especialista, o "Brasil é mais forte para os chineses, porque smartphones no país tendem a ser mais caros do que em outros mercados como a Colômbia, por exemplo".

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.