Lenovo diz que compra de servidores da IBM está caminhando

Por Redação | 02.07.2014 às 14:09

As extensas investigações das autoridades americanas e o veto a produtos de tecnologia chineses em setores governamentais dos EUA não devem interferir na compra do segmento de servidores da IBM pela Lenovo. De acordo com o CEO da empresa asiática, Yang Yuanqing, tudo está correndo bem e a aquisição deve ser concluída até o final de 2014.

A declaração foi feita durante uma reunião com investidores realizada nesta terça-feira (2), em Hong Kong, e foi reproduzida pelo Wall Street Journal. De acordo com o veículo, a compra do setor de infraestrutura da companhia americana continua caminhando bem, apesar do forte escrutínio das autoridades norte-americanas sobre o assunto.

As discussões sobre a presença de produtos chineses em empresas e setores do governo americano já é antiga, mas ganhou novo fôlego quando a IBM anunciou que estaria vendendo seu setor de servidores x86 para a IBM. É nesse tipo de equipamento que funcionam os serviços de setores importantes do governo dos Estados Unidos, bem como boa parte da infraestrutura de energia e telecomunicações do país.

O temor é de uma espionagem governamental direcionada, já que com a passagem dos serviços de controle e manutenção dos sistemas a uma empresa chinesa, espiões do país poderiam se infiltrar e ter acesso facilitado a informações confidenciais. Mais do que isso, sempre existe o medo de um ataque digital, seja por meio de agentes disfarçados de técnicos de manutenção, ou pelos times de hackers que trabalham para o Exército de Liberação Popular.

De forma a minimizar tais situações, a Lenovo já anunciou um acordo no qual, mesmo com a venda, toda a manutenção e controle dos equipamentos em solo americano permanecerão com a IBM. Ainda assim, setores do governo como o Pentágono, principalmente, alegam que contratos de manutenção desse tipo chegam ao fim e que, em algum momento, agentes chineses podem sim acabar tendo acesso à infraestrutura americana.

Mesmo com a tendência de perda dos clientes governamentais dos Estados Unidos, a Lenovo ainda vê com bons olhos a aquisição do setor em um negócio que vai custar US$ 2,3 bilhões. Esse é mais um passo em uma estratégia da empresa para se fixar em território ocidental, um movimento que envolve também a compra da Motorola Mobility por US$ 2,9 bilhões e a entrada de vez no mundo dos celulares e tablets.

Yang disse esperar que as autoridades americanas aprovem a negociação o mais breve possível e lembrou que, em 2005, a Lenovo já adquiriu o setor de computadores da IBM, um negócio que não causou nenhum tipo de prejuízo ao governo norte-americano. Mesmo assim, computadores da marca foram banidos de instalações governamentais e não podem ser usados para acessar sistemas restritos.