LG planeja televisor que se 'enrola' já em 2017

Por Redação | 10 de Julho de 2014 às 12h03
Tudo sobre

LG

Imagine um bolo de rolo, mas substitua a massa e a cobertura por um display flexível de 18 polegadas e resolução de 1200 x 820 pixels. Foi essa a impressão que passou uma das mais recentes demonstrações tecnológicas da LG que, no Japão, exibiu o funcionamento de uma tela flexível que deve ser o futuro não apenas das televisões, mas também de todo o mercado tecnológico.

Com lançamento previsto para 2017, o equipamento tem alta densidade de pixels, com quase um milhão deles espalhados pelas 18 polegadas, e usa tecnologia OLED. Apesar de um dos grandes focos dessa tecnologia ser o mercado de wearables, a LG admite que, nesse sentido, inovações ainda são necessárias para que tudo funcione de maneira perfeita e adequada. As informações são do site Ubergizmo.

Enquanto tais desenvolvimentos ainda estão acontecendo, a fabricante já pensa em usar a novidade também no mercado de televisões, e quer lançar os primeiros aparelhos com tela flexível até 2017. A ideia é chegar a tamanhos de até 50 polegadas com alta flexibilidade e leveza, criando dispositivos que possam ser carregados pela casa e colocados em qualquer lugar e ângulo.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

TV flexível LG

A iniciativa tem mais dois “adicionais”. Quando esse tipo de equipamento chegar ao mercado, a LG espera que eles sejam transparentes e tenham resolução Ultra HD, de 7680 x 4320 pixels. Seria, na visão da empresa, um dos aparelhos de maior qualidade do mercado, liderando o “futuro do mercado de televisores” na mesma medida em que oferece o melhor em qualidade e fidelidade para os early adopters.

Já há algum tempo, as discussões relacionadas a displays livremente flexíveis, e não apenas curvos, se relacionam à durabilidade deles. Os movimentos constantes poderiam acabar com a tela, distorcer as imagens e reduzir a fidelidade visual. Pelo menos nas imagens oriundas dos testes, isso não parece ter sido um problema, mas ainda é cedo para falar sobre como tudo vai funcionar em condições "reais" de uso.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.