LG indica que deixará de fabricar TVs de plasma ainda neste ano

Por Redação | 28.10.2014 às 18:21
photo_camera Divulgação

O fim definitivo dos televisores com tecnologia de plasma está próximo. E mais uma fabricante de eletrônicos anunciou sua saída desse mercado: a sul-coreana LG, que informou em um documento regulatório emitido nesta terça-feira (28) que deixará seu negócio de TVs nesse formato até o final de novembro deste ano. As informações são da agência de notícias Reuters.

Segundo a empresa, a decisão de deixar a tecnologia reflete a queda na demanda por televisões de plasma, uma vez que as vendas referentes ao negócio responderam por apenas 2,4% de sua receita anual em 2013. A saída era amplamente aguardada, já que TVs com telas de cristal líquido (LCD) se tornaram padrão nos mercados mundiais.

"Queríamos manter [o negócio] funcionando o quanto pudéssemos", disse o porta-voz da LG, Ken Hong, ressaltando que a empresa tem fabricado seus próprios painéis de plasma. "Não importa o quanto tentamos manter isso avançando, fato é que já deixou de ser um negócio".

O plasma ficou popular por sua aplicação em telas maiores sem aumentar o preço dos aparelhos, tornando-os mais baratos que outros formatos, como o LCD. Além disso, também produz imagens mais vivas e com mais contraste que o concorrente, o que é perfeito para games. Contudo, analistas disseram que telas de plasma são tecnicamente incapazes de acompanhar os avanços das resoluções de telas, além de consumirem mais energia, esquentarem mais que LCD e serem mais pesadas que outros modelos de TVs.

Em julho, a empresa de pesquisa de mercado NPD Display Search afirmou que as vendas globais de televisores de plasma vão cair para 500 mil em 2015 ante o patamar de 5,2 milhões atingido em 2014. Com isso, praticamente vão desaparecer do mercado.

No mesmo mês, a Samsung, uma das poucas companhias que ainda fabricava telas de plasma, anunciou que deixará de produzir televisores com o componente para se focar no desenvolvimento de tecnologias mais futuristas, entre elas o 4K e o vindouro 8K (7.680 x 4.320p, quase o dobro do Ultra HD e 16 vezes maior do que o Full HD).

Fim da produção

A "morte" do plasma começou em outubro do ano passado, quando a Panasonic, uma das maiores fabricantes do setor, anunciou que iria encerrar a produção de TVs com o formato após um prejuízo líquido de US$ 15 bilhões nos dois anos anteriores. Esse foi o estopim para que as companhias abandonassem de vez o material. Em 2012, as vendas do produto caíram 21%, em comparação com a queda de apenas 1% de TVs de LCD.

A tecnologia de plasma foi uma das primeiras a serem utilizadas em televisores de alta resolução. Ela recebeu esse nome devido ao seu princípio de funcionamento baseado no plasma – o quarto estado da matéria –, no qual um gás é composto de elétrons que são dissociados dos núcleos atômicos. Todo esse processo constitui a tecnologia necessária para que o material produza as imagens no display.