Investidores estão gastando uma fortuna com empresa de TI que ainda não existe

Por Redação | 23 de Fevereiro de 2015 às 09h03

Tecnicamente, a empresa Jet.com ainda não existe. Porém, ela já conseguiu levantar uma enorme quantia em dinheiro: recebeu US$ 220 milhões em investimentos antes mesmo de ser lançada.

Quem entra no site da empresa se depara apenas com a descrição: "Jet é um clube de compras exclusivo para membros, com os preços mais baixos em milhões de itens". Ok, isso é muito bom, mas como os investidores podem colocar tanto dinheiro em algo que sequer existe de verdade?

Scott Friend, um dos investidores do Jet, disse ao Re/code que está bem consciente do quão louca é a quantia investida no negócio. "Quando descrevemos a quantia de capital junto ao contexto de pré-lançamento, soa absurdo", diz antes de ressaltar que é preciso olhar sob outro ângulo para entender por que o negócio é tão valioso.

O CEO do Jet.com, Marc Lore, é conhecido por criar empresas de compras na internet que são realmente bem sucedidas. Muito mesmo. Ele criou a Diapers.com e a Soap.com e vendeu os sites para a Amazon por US$ 545 milhões em 2011. Esses sites vendiam uma série de produtos de baixo custo e logo acabaram travando uma guerra de preços com a varejista norte-americana.

Então, quando Lore disse aos investidores que ele estava criando um novo site de e-commerce que vai usar um modelo de assinatura para tornar os produtos mais baratos, ele já tinha certa credibilidade no mercado.

O que o empreendedor quer é criar uma versão da Amazon que usa uma precificação dinâmica. Se você morar perto de um armazém, os produtos serão mais baratos. O Jet.com também visa oferecer preços mais baixos que a Amazon, usando as assinaturas anuais de US$ 50 para compensar os preços baixos.

Precedente

O Jet não é o primeiro site a levantar dinheiro antes mesmo de existir. Pode-se dizer que com o Uber também aconteceu a mesma coisa.

Atualmente, o Uber é conhecido por ser um aplicativo que conecta motoristas com passageiros que querem ir para um determinado lugar. Ele analisa a demanda e então conecta as pessoas certas. A precificação também é dinâmica: em horários de alta demanda, o passageiro paga mais.

É claro que esse tipo de avaliação de investimento não se aplica apenas a empresas gigantes, como a Jet.com e Uber, conforme bem destaca o Business Insider. Pequenas startups também recebem muito dinheiro todos os dias porque elas olham para o futuro. Quando os investidores colocam seu dinheiro em uma empresa nova, eles olham para onde ela está indo – e, às vezes, de onde ela veio, como no caso da Jet.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.