Intel vai investir US$ 300 milhões para aumentar diversidade na empresa

Por Redação | 07 de Janeiro de 2015 às 12h55
photo_camera Divulgação

A conferência da Intel na CES 2015 foi concentrada nas tecnologias vestíveis, um setor que vem sendo o grande foco da companhia nos últimos meses. Mas ao final da apresentação, o CEO Brian Krzanich subiu ao palco para falar de um assunto sério e anunciou um investimento de US$ 300 milhões para aumentar a diversidade no mercado de tecnologia.

O plano tem iniciativas internas e externas. Inicialmente, os trabalhos serão localizados nos escritórios e departamentos gerenciais da companhia, com um ideal de representatividade de grupos minoritários que deve ser atingido até 2020. Isso inclui um foco maior na contratação de mulheres, homossexuais e negros, por exemplo.

Além disso, outros US$ 300 milhões adicionais serão investidos em parcerias com grupos representativos, como a Associação Internacional de Desenvolvedores de Jogos, o Centro Nacional pelas Mulheres na Tecnologia e a ONG Feminist Frequency. A ideia é basicamente a mesma: aumentar a representatividade do gênero feminino e de grupos minoritários nas empresas do setor, principalmente nos campos da engenharia, ciências da computação e produção de games.

Para Krzanich, a proposta representa uma tentativa de “tornar o impossível, possível”. O executivo afirmou, segundo o site GamesIndustry, que uma maior diversidade na equipe de desenvolvimento é o melhor caminho para uma maior conexão com o público, uma vez que o primeiro acaba sendo um reflexo do segundo, o que gera mais oportunidades, produtos melhores e, acima de tudo, mais entendimento.

Para analistas, a iniciativa vem em resposta ao GamerGate, caso ocorrido em outubro do ano passado em que jornalistas, especialistas e críticos foram atacados veementemente por leitores devido a opiniões feministas ou focadas em minorias. A Intel esteve no centro das discussões após retirar sua publicidade do site Gamasutra, onde um artigo escrito por Leigh Alexander criticava duramente o público gamer em relação a sua postura diante de desenvolvedores e propostas encontradas no mercado.

Os anúncios foram removidos após o recebimento de diversas críticas por parte de leitores, como parte de uma campanha voltada para pressionar empresas e veículos que apoiassem tais publicações. Na época, a Intel pediu desculpas públicas pelo caso e disse possuir uma forte postura em prol da diversidade. Além disso, afirmou que a atitude de remover as propagandas do site foi mal interpretada pelos usuários.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.