Intel quer dobrar o número de mulheres na indústria de jogos

Por Redação | 05.03.2015 às 15:33
photo_camera Alex Rodavias/iStock Photos

A Intel, maior fabricante de processadores do mundo, revelou algumas das suas estratégias para colocar em prática os compromissos assumidos em janeiro deste ano, durante a Consumer Electronics Show (CES) 2015, para aumentar a presença feminina dentro da indústria de jogos. As informações são do Venture Beat.

Mirando duplicar a quantidade de mulheres envolvida na criação e no desenvolvimento de games, a companhia vai trabalhar junto da Associação Internacional dos Desenvolvedores de Jogos (IGDA na sigla em inglês). Tais ações já estão sendo implementadas, como o financiamento da participação de 40 estudantes de desenvolvimento de games na Game Developer Conference.

A intenção da Intel é, sobretudo, provar aos consumidores que não é uma empresa “antifeminista”, depois que a companhia se envolveu em uma polêmica com o site Gamasutra. A editora Leigh Alexander publicou uma coluna na qual analisava a indústria de gamers por uma ótica feminista e, devido à controvérsia gerada pelo texto, a Intel suspendeu os anúncios publicitários que mantinha na página — mas voltou atrás pouco tempo depois.

Investindo na diversidade

O objetivo da Intel é investir US$ 300 milhões para alcançar o objetivo de ampliar a participação feminina no setor. O dinheiro será gasto em programas de incentivo para que mais mulheres se qualifiquem para atuar na indústria de tecnologia e na indústria de games.

Além da ação já citada envolvendo 40 estudantes, a companhia também pretende realizar a Intel Challenge Katowice, um torneio de e-sport feminino, no mesmo local das finais do Intel Extreme Masters, que começam daqui a uma semana.

Para eliminar de vez a pecha de empresa misógina, a companhia abre o bolso e se posiciona. “Nós precisamos de diversidade não apenas no jogo, mas também na indústria”, aponta o vice-presidente de software e serviços da Intel Pete Baker.

Criar e jogar

Atualmente, cerca de 48% das pessoas que jogam games eletrônicos são mulheres, porém apenas 22% desse montante estão envolvidas na criação dos jogos, revela um estudo da Entertainment Software Association. E, apesar do “escorregão” com o Gamasutra, os esforços da Intel para corrigir essa diferença estão sendo elogiados pela IDGA.

“A Intel tem sido uma parceira fantástica para a IGDA. Nós veremos grandes mudanças no conteúdo dos jogos”, revela Kate Edwards, diretora-executiva da instituição. Edwards espera que mais empresas desenvolvam programas semelhantes e arrisca que o número de mulheres envolvidas na indústria deve dobrar na próxima década.

“Nós pensamos que isso é algo como o objetivo de um programa espacial, mas é por isso que vale a pena”, complementa.