Intel e Altera fecham acordo para fabricação de chips ARM

Por Redação | 30.10.2013 às 15:05

Em um evento para desenvolvedores de chips ARM, a Altera anunciou uma parceria com a Intel para a fabricação dos chips ARM 64-bit, sendo o Altera Stratix 10 o primeiro chip a ser fabricado pela Intel.

Apesar da novidade, o novo chip não deverá aparecer em nenhum produto final para os consumidores, pelo menos, não em breve. O Stratix será desenvolvido para servidores e sistemas incorporados. Porém, em uma entrevista para a Forbes, Nathan Brookwood – analista da Insight 64 – se mostrou animado com essa parceria e as possibilidades que ela poderá gerar.

“Isso é grande. Imagine os processadores ARM 64-bit mais poderosos e tecnologicamente avançados sendo construídos nas fábricas top de linha da Intel. É uma dupla que será difícil de ser vencida.”

Com essa nova ação, Brookwood acredita que a Intel pode abrir caminho para que outras empresas desenvolvedoras de processadores também possam fazer acordos desse tipo e a companhia fabrique os seus chips: “A Intel montará o A7 da Apple, o Snapdragon da Qualcomm ou o Tegra da Nvidia pelo preço certo. Agora a questão é: as desenvolvedoras estão preparadas para pagar o preço?”.

Se a Intel realmente abrir as portas para outras desenvolvedoras de chips, seus preços devem começar a abaixar e as outras fabricantes (TSMC, UMC, IBM, Samsung, SMIC) também deverão fazer com que seus chips fiquem mais baratos para que possam competir com a Intel.

Parceria entre Intel e Altera

Essa não é a primeira parceria entre a Intel a Altera. Em junho, a Altera anunciou que começou a fabricar a sua nova linha FPGA usando o processo de 14nm FinFET da Intel. Esse primeiro acordo foi importante para a indústria, pois pela primeira vez na história, a Intel compartilhou o seu processo de fabricação de processadores com outra empresa.

Os primeiros FPGAs desenvolvidos após a parceria de junho serão voltados para os mercados de comunicação, indústrias, militares, entre outros. Eles não são usados como processadores de aplicações e não irão competir diretamente na área destinada a dispositivos móveis da Intel.