Ingerência fez com que iPhones 6 não tivessem tela de safira, diz jornal

Por Redação | 26.11.2014 às 09:48 - atualizado em 26.11.2014 às 15:39
photo_camera CANALTECH

Quando os rumores sobre o iPhone 6 surgiram, um dos principais fatores de euforia era o suposto novo material que Apple utilizaria nas telas do smartphone, que passariam a ser feitas de safira. Sendo o segundo material mais duro do planeta, essa seria a aposta de Cupertino para por fim aos riscos e telas quebradas.

A novidade, que agradou muitos clientes, logo se transformou em decepção quando o boato não se concretizou e o único vidro de safira do aparelho era o que protege a câmera. Mas, afinal de contas, por que Tim Cook e companhia desistiram da ideia que provavelmente atrairia boa parcela dos usuários dos concorrentes? Ou será que tudo realmente não passou de um rumor?

Segundo o Wall Street Journal, a Apple pretendia sim trazer a tela de safira nos novos iPhone 6 e iPhone 6 Plus e o componente seria fabricado pela GT Advanced, que fechou uma parceria com a Maçã há mais de um ano no valor de US$ 1 bilhão. Os problemas, no entanto, começaram a surgir assim que a GT começou a fabricar as primeiras peças, que não só demoraram a ficar prontas, como também vieram com qualidade abaixo do exigido pela Apple.

O jornal cita algumas histórias para exemplificar o que deu errado, como a GT Advanced ter contratado 700 funcionários para dar conta da grande demanda, mas, por não ter fornos suficientes para fabricar as telas, muitos ficavam sem ter o que fazer. "Ficávamos apenas varrendo o chão repetidas vezes", disse um ex-funcionário da GT Advanced ao WSJ. Além disso, a produção levava muito tempo e era muito cara. Para se ter uma ideia, para gerar um boule, como é chamado o cilindro de safira, eram necessários 30 dias e U$ 20 mil (aproximadamente R$ 51.500).

A essa altura uma empresa culpava a outra pelos problemas. O que alguns funcionários chamavam de "cemitério de boule" foi formado a medida que os cilindros eram feitos mas não podiam ser utilizados. A GT alegou que esses produtos inutilizados eram culpa da falta de fornecimento de energia, responsabilidade da Apple. Já a companhia de Tim Cook respondeu dizendo que a responsabilidade foi da falta de gerenciamento.

Diante de tantos problemas e do empurra-empurra, a Apple então decidiu lançar os celulares sem a tela de safira, deixando a novidade para o Apple Watch que será lançado no próximo ano. A GT Advanced, como alguns devem saber, acabou decretando falência duas semanas após o anúncio dos novos iPhones.