Implante de coluna devolve movimento das pernas a pacientes paraplégicos

Por Redação | 09 de Abril de 2014 às 15h55
photo_camera Victory Over Paralysis

Um grupo de pesquisadores da Universidade de Louisville, nos Estados Unidos, criou um implante elétrico capaz de devolver o movimento das pernas a pacientes paraplégicos. Quatro homens - antes completamente paralizados da cintura para baixo - já participaram do experimento e conseguiram mexer pernas e dedos, além de levantar pesos de até 100kg, reporta o NewScientist.

Entre eles está Andrew Meas, de 36 anos, que sofreu um acidente de moto em 2006 e desde então se tornou paraplégico. Implantado em 2012, Meas hoje é capaz de se levantar sozinho. "Eu quero andar de novo, esse é o meu lema", ele diz.

Para Claudia Angeli, pesquisadora do Centro de Pesquisa em Lesões na Medula Espinhal da Universidade de Louisville, o ponto em que chegaram já é um grande marco. "Nunca existiu nada como isso e não havia esperança para os pacientes com lesões mais severas, então esse é um importante passo para eles", ela conta.

O aparelho desenvolvido pelos pesquisadores consiste em uma série de eletrodos implantados na região lombar da coluna, o principal ponto de ligação entre os membros do corpo e o cérebro. Através de estímulos elétricos, ele "reacorda" a medula, que registra a intenção do cérebro de se mexer e a converte em movimentos coordenados. De acordo com Angeli, mesmo após uma lesão severa a medula continua com uma grande capacidade de comunicação, mas atrofia pela falta de uso em pessoas paraplégicas.

Um dos maiores desafios, diz Angeli, é recuperar a coordenação. Os eletrodos implantados na medula são programados com algoritmos para cada tarefa específica, que variam de pessoa para pessoa, assim como de uma perna para a outra e de um dedo para o outro. Atualmente, o implante só permite que uma parte do corpo seja movida por vez, mas a pesquisadora espera conseguir criar aparelhos mais sofisticados no futuro.

Atualmente, quatro homens já foram implantados e o estudo deve ser ampliado para outras oito pessoas. Apesar de eles ainda não conseguirem caminhar, o aparelho já trouxe mudanças radicais para suas vidas, permitindo-os recuperar o controle da bexiga, intestino e a função sexual. "Isso realmente recupera a dignidade", disse Roderic Pettigrew, diretor do Instituto Nacional de Imagens Biométicas e Bioengenharia dos Estados Unidos.

Abaixo, o paciente Kent Stephenson demonstra os movimentos recuperados com o implante.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.