IBM vai investir US$ 3 bi na produção de chips usando tecnologia de 7 nanômetros

Por Redação | 10.07.2014 às 13:50

Buscando miniaturizar ainda mais os componentes dos computedores atuais, a IBM anunciou nesta quarta-feira (09) que investirá US$ 3 bilhões em pesquisas e desenvolvimento de um novo material semicondutor para o desenvolvimento de chips com componentes de pelo menos 7 nanômetros.

O projeto é ambicioso não apenas por querer construir processadores mais potentes dos que os atuais, como também por se propor a reduzir ainda mais o tamanho deles. De acordo com o CNET, isso implica em dois grandes desafios. O primeiro deles diz respeito justamente ao tamanho de 7 nanômetros dos componentes. Para se ter uma ideia, a medida é dez vezes menor que a de uma partícula de vírus e 100 vezes inferior a de um fio de cabelo humano.

O segundo obstáculo, por outro lado, diz respeito ao tipo de material utilizado para construir os processadores. Ao que tudo indica, a companhia norte-americana quer deixar de lado o silício e estuda adotar um outro tipo de material para alcançar o feito – um verdadeiro desafio de engenharia. Embora nada tenha sido confirmado, especula-se que entre as alternativas estão o grafeno e os nanotubos de carbono, além do silício fotônico e computação quântica.

Atualmente, os processadores da IBM são produzidos utilizando a técnica de 22 nanômetros. Projeto é ambicioso e visa pular 3 gerações para construi-los usando processo de 7 nanômetros

Atualmente, os processadores da IBM são produzidos utilizando a técnica de 22 nanômetros. Projeto é ambicioso e visa pular 3 gerações para construi-los usando processo de 7 nanômetros (Imagem: Reprodução/IBM)

"Nos próximos 10 anos, nós acreditamos que haverá novos sistemas muito mais eficientes na resolução de problemas que atualmente são impossíveis de serem solucionados", disse o vice-presidente de ciência e tecnologia da IBM Research, T.C Chen.

Vale a pena ressaltar que os planos da IBM estão três gerações à frente das atuais pretensões da indústria. Perguntado sobre como espera alcançar esse feito já nos próximos anos, Chen disse que o trabalho deve ser focado no desenvolvimento das arquiteturas do semicondutor e novas ferramentas e técnicas de produção. Segundo ele, isso tem que acontecer até o fim desta década.

"É por isso que para nós é crítico fazer este investimento em pesquisa agora. Com isso, poderemos elaborar o primeiro estágio de desenvolvimento para demonstrar as inovações da tecnologia de 7 nm e como ela será útil antes mesmo de ser comercializada", finalizou o executivo.

Leia mais sobre a IBM:

Fonte: http://www.cnet.com/news/ibm-spends-3-billion-to-push-the-far-future-of-computer-chips/